Guimaguinhas
Memórias familiares e da minha cidade natal
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Meu Diário
19/11/2017 07h36
AGUINHAS MUSICAL - A Fonte do Lambary - Ernesto Nazareth

Ilustração: Cópia da partitura original da polca A FONTE DO LAMBARY, composição de Ernesto Nazareth, de 1888


SUMÁRIO


Apresentação

Ernesto Nazareth, o grande compositor e pianista brasileiro (1863-1934), compôs em 1888 uma polca intitulada A Fonte do Lambary dedicada à Empresa de Águas do Lambary, concessionária à época da exploração das águas minerais de Águas Virtuosas de Lambary

Possivelmente essa peça musical foi encomendada como propaganda das águas de Lambary.



Essa dica foi dada ao GUIMAGUINHAS por Paulo Guerra, da Estação Mercado do Livro.

É a história que veremos a seguir, dentro da Série AGUINHAS MUSICAL (aqui).

Voltar


(Fonte: Ernesto Nazareth: o músico e as marcas. Alexandre Dias e Luiz Antonio de Almeida)


O músico e a propaganda das Águas de Lambary

No texto Ernesto Nazareth: o músico e as marcas, disponível no site Ernesto Nazareth 150 Anos, e que pode ser visto aqui, conta-se que Ernesto Nazareth 

revelou uma das mais significativas ligações autorais com a música de propaganda. 

E que é em Nazareth que 

possivelmente, vamos encontrar a melhor expressão da aproximação entre compositor de inequívoca qualidade musical e a música de propaganda, à qual dedicou seu talento.

Nesse gênero, Nazareth compôs cerca de 13 composições, sendo que sua primeira incursão em

composição musical cujo título da partitura está associado a marca comercial ocorreu em 1888, conforme informação localizada por Luiz Antonio de Almeida em jornal: trata-se de A Fonte do Lambary, polca para piano. Impressa na própria partitura consta a dedicatória: “Offerecida a Empresa das Aguas do Lambary”. Ainda que “offerecida” à empresa, não se pode descartar seu teor e potencial de exposição da marca. 



Os autores do texto prosseguem dizendo que, com fundamento no comentário de Luiz de Almeida, pode-se especular

uma origem para essa composição a partir de possível vínculo entre Ernesto Nazareth e a empresa Águas Lambary, cujo elo seria o estabelecimento Viúva Filippone. Ernesto Nazareth teve, na década de 1880, algumas de suas composições (Você Bem Sabe, Cruz, Perigo!, Não Caio N’Outra!!!, Não Me Fujas Assim e Beija Flor) editadas pela Imperial Imprensa de Música de Viúva Filippone (Viúva Filippone) e pela firma sucessora Viúva Filippone & Filha, com loja à Rua do Ouvidor 93, Rio de Janeiro. Aloysio de Alencar Pinto, em artigo sobre Ernesto Nazareth, informa, “como nota pitoresca”, que ao lado do comércio de música, o estabelecimento (Viúva Filippone) “tinha um depósito de todas as águas minerais legítimas”, e era “correspondente direto da Companhia de Vichy” (PINTO, 1963). Em função do relacionamento entre Nazareth e o estabelecimento Viúva Filippone, e pelo fato de esse ser o “Único depósito das Aguas Virtuosas de Lambary e de todas as Aguas Mineraes estrangeiras, como sejam Vichy, Seltz, etc. etc.” (conforme rodapé do Catálogo Flores do Baile Collecção das Quadrilhas, Polkas e Valsas Mais em Voga, do Imperial Estabelecimento de Músicas e Aguas Mineraes Vva. Filippone & Filha), é plausível supor uma encomenda de A Fonte do Lambary por intermediação da Viúva Filippone, ou da Viúva Filippone a Nazareth, como forma de agradar seu fornecedor, ao mesmo tempo que seria distribuída entre os fregueses das águas minerais. Suposições.

Teria sido a música intencionalmente composta como propaganda da Água de Lambary? Tenha sido oferecida ou dedicada à empresa a exibição do nome da marca no título da composição era de fato uma forma de divulgação:

Para quem recebesse, ou mesmo adquirisse, uma partitura com o nome de um produto ou estabelecimento, pode-se presumir que o fato da partitura ser “oferecida, pelo compositor, à empresa tal” ou ser “oferecida, ao comprador, pela empresa tal” seria um aspecto menos relevante. O que teria relevância era o título da partitura: A Fonte do Lambary – nome a ser lembrado. O fato de os proprietários da Empresa das Águas do Lambary eventualmente terem utilizado a partitura de Ernesto Nazareth como um brinde para distribuição entre seus fregueses tornaria mais explícita e contundente sua função comercial. Caso a partitura não tenha sido utilizada como brinde, ainda assim, de modo involuntário e não proposital, houve exposição da marca através da partitura. 

(Fonte: Ernesto Nazareth: o músico e as marcasAlexandre Dias e Luiz Antonio de Almeida)

Voltar


Partitura

A partitura (melodia e cifra)  pode ser vista nestes links:

  • Ernesto Nazareth 150 Anos - aqui
  • A Fonte do Lambary para violão e cavaquinho - aqui

Voltar


Vídeos

Veja no Youtube A Fonte do Lambary executada em piano e em e flauta:

  • Piano - Maria di Pasquale - Youtube - aqui
  • Flauta - Youtube - aqui

Voltar


Referências

  • https://ernestonazareth150anos.com.br
  • Ernesto Nazareth: o músico e as marcas. Alexandre Dias e Luiz Antonio de Almeida. Disponível aqui
  • Youtube
  • Wikipedia
  • http://www.choromusic.com.br
  • Paulo Guerro - Livraria Estação Mercado do Livro - aqui

 


Publicado por Guimaguinhas em 19/11/2017 às 07h36
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
18/11/2017 06h42
Memórias de Aguinhas - Lançamento do livro AS ÁGUAS VIRTUOSAS DE LAMBARI E A DEVOÇÃO A N. S. SAÚDE

Ilustração: Capa do livreto em que figuram a imagem de N. S. da Saúde e as igrejas a ela dedicadas em Lambari, MG


SUMÁRIO


Apresentação

Foi realizado ontem na Estação Mercado do Livro, em Lambari, MG, o lançamento do livro AS ÁGUAS VIRTUOSAS DE LAMBARI E A DEVOÇÃO A NOSSA SENHORA DA SAÚDE (aqui), que faz parte da COLETÂNEA ÁGUAS VIRTUOSAS DE LAMBARY, do site GUIMAGUINHAS, da qual já falamos aqui.



O evento se deu dentro da programação da II FLAVIR - FEIRA LITERÁRIA DE ÁGUAS VIRTUOSAS, promovida pela Livraria Estação Mercado do Livro, e  foi antecedido por uma palestra do autor sobre AS MEMÓRIAS DE ÁGUAS VIRTUOSAS DE LAMBARI.

Essas MEMÓRIAS trata-se do trabalho de resgate, troca de informações e compartilhamento de documentos e fotos que o autor promove mediante o site GUIMAGUINHAS e a coletânea de livros HISTÓRIAS DE AGUINHAS, que vem escrevendo sobre as memórias familiares e da cidade de Águas Virtuosas de Lambari, à qual ele dá o nome literário de AGUINHAS.



Na primeira parte, o autor falou sobre o site GUIMAGUINHAS: origem do nome, objetivos da página eletrônica, séries e posts mais acessados, colaboradores e outros temas de interesse. Na segunda, fez uma resenha do livreto AS ÁGUAS VIRTUOSAS DE LAMBARI E A DEVOÇÃO A NOSSA SENHORA DA SAÚDE

Além dos responsáveis pela II FLAVIR, estiveram prestigiando o lançamento do livro familiares e amigos do autor e moradores da cidade e turistas interessados no tema.

Após a exposição, houve uma boa participação dos ouvintes, com perguntas e trocas de ideias sobre as memórias da cidade de Lambari, seguida do sorteio de 2 livros.

No encerramento, os livros do autor, vendidos a preços promocionais, foram por ele autografados.


Voltar


Fotos do evento

Voltar


Vídeo e Apresentação PPT

  • O vídeo da palestra pode ser visto aqui.
  • E a apresentação PPT da palestra está aqui

Voltar


Outras informações

  • O autor agradece a colaboração da Paróquia de Lambari, especialmente ao Pároco Padre Marcos Menezes, e a todos os que forneceram elementos, informações e críticas para a elaboração do livro.
  • Os recursos com a venda do livro foram doados para obras sociais da Paróquia de Lambari.
  • Ficam registrados, também, nossos agradecimentos aos amigos da Estação Mercado do Livro e promotores da II FLAVIR.

Medalha conferida a Antônio Carlos Guimarães pela sua participação na II FLAVIR

  • O autor recebeu das mãos da artista plástica CIDA BHERING a medalha de honra abaixo, conferida pelos promotores da II FLAVIR

Voltar


Referências

  • www.facebook.com/estacaomercadodolivro/

Voltar


 


Publicado por Guimaguinhas em 18/11/2017 às 06h42
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
05/11/2017 08h07
Memórias de Aguinhas - Inauguração da "Vichy Brazileira" - 1a. parte

 Ilustração: Título da reportagem do jornal O Paiz, edição de 24 de abril de 1911 (Fonte: bn.digital)


SUMÁRIO


Apresentação

Como vimos postando na Série Américo Werneck, nosso primeiro prefeito foi o (re)fundador da Estância Hidromineral de Lambari, à vista do conjunto urbanístico por ele criado, que se mantém até nossos dias. Ou, como disse Armindo Martins, ele foi "o artífice de Lambari".

O conjunto de obras que inaugurou em 24 de abril de 1911, com a presença dos Presidentes da República e do Estado de Minas, além de outras personalidades, constitui um dos principais fatos históricos de nossa cidade. 

O evento foi coberto pelos principais órgãos de imprensa da época, e neste post vamos conhecer a que foi feita pelo jornal O Paiz, do Rio de Janeiro.

Vamos lá.


Veja também:

  • Série As obras de Werneck - aqui

Voltar


Cobertura da inauguração pelo jornal O Paiz

O jornal O Paiz, do Rio de Janeiro, nas edições de 24 e 25 de abril de 1911, estampou duas reportagens sobre a inauguração das obras realizadas por Américo Werneck em Águas Virtuosas de Lambary.



Na primeira, o jornal fala sobre a vinda do Presidente da República Hermes da Fonseca e das obras que ele iria inaugurar — instaurando a Vichy Brazileira, como se dizia então.


A Vichy francesa

Vichy é uma cidade com uma estância termal e cerca de 60 000 habitantes no centro da França, perto de Clermont-Ferrand, na região da Auvérnia-Ródano-Alpes, no departamento de Allier do qual Vichy é uma sub-sede.

Reprodução: Fonte: www.sofiapiassi.com

Voltar


Aquae calidae na França e Águas Virtuosas de Minas

A capital hidroterápica francesa nas suas inserções políticas e suas irradiações no Brasil. Retomada em Vichy de reflexões em Lambari.



Artigo da Revista Brasil-Europa - Correspondência Euro-Brasileira© trata da valorização do patrimônio ambiental e cultural das águas minerais de cidades do sul de Minas e a atenção que merece essa região de estâncias hidroterápicas sob a perspectiva das relações entre a Europa e o Brasil.

Voltar


Na segunda, trata da festa de inauguração e da descrição das obras de saneamento e embelezamento da estância.

Vamos conferir, em duas etapas, esse fato histórico, certamente o mais importante da história de nossa cidade.

Pois bem, aqui vai a primeira parte:


O embarque de Hermes da Fonseca

Presidente e sua comitiva embarcam para Águas Virtuosas de Lambary

No Rio de Janeiro, então capital da República, às 10 horas da noite do dia 23 de abril de 1911, o presidente Hermes da Fonseca e sua comitiva embarcam na Estação Central, rumo a Águas Virtuosas de Lambary.


Estação Central, Rio de Janeiro, 1895 (Fonte:Wikipedia)

Gare da Estação Central - (Fonte: http://www.estacoesferroviarias.com.br)

(Fonte: http://www.estacoesferroviarias.com.br)

Voltar



Políticos e autoridades presentes no embarque de Hermes da Fonseca

Voltar


Jornalistas que embarcaram com o Presidente da República


Autoridades que compareceram ao embarque de Hermes da Fonseca

Voltar


Últimos preparativos

Na véspera das festividades de inauguração, os últimos preparativos estavam sendo feitos: a escadaria que ligava o cassino ao lago, treinamento da tripulação da flotilha inaugural, testes da gôndola veneziana destinada ao Presidente da República, batizada de Odete (filha de Wenceslau Braz, Presidente do Estado de Minas Gerais). À noite, seria testada a iluminação externa do cassino.

Confira:

Voltar


O programa das festividades

Abaixo, o programa das festas de inauguração:

Voltar


 


Voltar


A Parada Melo

A Parada Melo em 1914, durante a visita do engenheiro Paulo de Frontin. Aos fundos, vê-se o Hotel Melo.

Foi nessa estação que desceram as autoridades presentes na inauguração das obras de Américo Werneck, mencionadas acima.

Reprodução: Revista Fon Fon n. 17, de 1914 (Fonte: bn.digital)

Reprodução (Fonte: bn.digital)

Voltar


A Movimentação dos convidados na inauguração das obras

Autoridades, cidadãos lambarienses e visitantes de toda a região se movimentam durante as festividades de inauguração das obras de Américo Werneck, em 1911

Reprodução: Revista Fon Fon n. 19, de 1911 (Fonte: bn.digital)

Voltar


Referências

Voltar


  


Publicado por Guimaguinhas em 05/11/2017 às 08h07
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
30/10/2017 14h35
Literatura de Aguinhas - Gustavo Barroso e o Dicionário da Língua Portuguesa

Ilustração: Recorte da capa da 3a. edição do Pequeno Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa, organizado por Hildebrando Lima e Gustavo Barroso.


SUMÁRIO

 


Apresentação

E assim, com uma freqüência incomum, enquanto economizava o dinheiro, passei a visitar a lojinha do Zezão da Marica, no centro de Aguinhas, pra namorar o Pequeno Dicionário, já que não admitia perdê-lo pra ninguém. (No passado, esse Dicionário tivera como co-autor um personagem conhecido de nossa política e de nossas letras, o escritor Gustavo Barroso, que freqüentava Aguinhas e possuía aqui uma propriedade, o Retiro do Lago. O Pequeno Dicionário veio a dar origem ao Aurélio.)

 

Extraído do Cap. XXX - O Dicionário, do livro Menino-Serelepe(*)


No post de abertura da Série Literatura de Aguinhas, anotamos que falaríamos não somente de autores/escritores nascidos em Lambari como também de muitos outros que moraram ou elegeram Aguinhas para passar suas estações de águas, como: Américo Werneck, Coelho Netto, Vital Brazil, Vargas Neto, Padre Antônio Lemos Barbosa, Ivan Lins, Gustavo Barroso, Basílio de Magalhães.

Assim, neste post vamos falar de  Gustavo Barroso [Fortaleza, CE, 29/12/1888. Rio de Janeiro, RJ, 3/12/1959], que durante décadas frequentou Lambari e aqui possuía uma residência de férias — o Retiro do Lago, na Volta do Lago, pouco depois do Hotel Itaici.


Gustavo Barroso discursando na inauguração do busto de Américo Werneck, na Praça Conselheiro João Lisboa, Lambari, MG, nos anos 1940

Voltar


  Barroso é dono de extensa bibliografia, que pode ser conferida (aqui), mas entre as dezenas de obras que escreveu escolhemos comentar sua participação na elaboração do Pequeno Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa, livro que marcou minha infância, conforme narrei no conto O Dicionário, acima referido.

Vamos lá.

Voltar


Pequeno Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa

Pequeno Dicionário Brasileiro Da Língua Portuguesa

Pequeno Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa teve sua primeira edição em 1938 e foi sucessivamente editado até 1947 (10 edições).

Seus primeiros organizadores foram Hildebrando Lima e Gustavo Barroso e a obra contou ainda com a participação de grandes nomes da lexicografia brasileira, como Manuel Bandeira, José Baptista da Luz, Antenor Nascentes e Aurélio Buarque de Hollanda Ferreira. [4]

Voltar


Nascimento do "Aurélio"

No seu livro de memórias, intitulado Uma vida, páginas 46 e 47, o advogado e bibliófilo Plínio Doyle conta como Aurélio Buarque de Hollanda Ferreira adquiriu os direitos autorais do Pequeno Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa, do qual era colaborador, e construiu o seu  extraordinário Aurélio.


  

Capa da 10a. edição, na qual "não consta os nomes dos organizadores e tem como destaque o seguinte: “supervisionado e consideravelmente aumentado por Aurélio Buarque de Hollanda Ferreira com a assistência de José Baptista da Luz e revisto e aumentado por inúmeros especialistas”. [4]

Resultado de imagem para Pequeno Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa

Capa da 2a. edição, revista e ampliada, com o título de Aurélio, com o qual Buarque de Hollanda imortalizou sua obra

Confiram:


Disponível no GoogleBooks - aqui

Voltar


O Museu Histórico Nacional

O Museu Histórico Nacional, criado em 1922, teve Gustavo Barroso como um de seus fundadores. O MHN é um dos mais importantes museus do Brasil, reunindo um acervo de mais de 250.000 itens. Barroso foi também seu diretor por anos.


Fonte: Wikipedia. Verbete Museu Histórico Nacional (aqui)


A Biblioteca do MHN oferece ao público um vasto acervo, compreendendo obras do século XVI ao XXI. São livros, folhetos, periódicos e materiais especiais, que abrangem temas como Arte Decorativa, Numismática, Filatelia, Indumentária, História do Brasil, História do Rio de Janeiro, História de Portugal, Heráldica, Genealogia, Sigilografia, Gastronomia e Museologia.

O arquivo histórico é formado por coleções, a maioria de caráter privado, que abrigam 55.600 documentos iconográficos e manuscritos, importantes para a história do Brasil. O acervo museológico, com cerca de 170 mil itens, é formado por coleções de objetos que datam desde a Antiguidade até os dias atuais. 

Localiza-se na Praça Marechal Âncora s/n° - Centro - Rio de Janeiro - RJ.

Voltar


Documentos pessoais de Gustavo Barroso

Na Biblioteca Virtual do MHN encontram-se documentos pessoais de Gustavo Barroso, que podem ser pesquisados via internet (aqui)

Quando se digita, por exemplos: Lambari ou Águas Virtuosas, podem ser visualizados documentos, artigos, textos referentes a nossa cidade.

Voltar


Referências

  1. http://www.academia.org.br/academicos/gustavo-barroso/biografia
  2. GoogleBooks
  3. Wikipedia
  4. http://mhn.museus.gov.br/
  5. Rosimar Regina de Oliveira. In RUA - Revista do Laboratório de Estudos Urbanos do Núcleo de Desenvolvimento da Criatividade (aqui)

Voltar


(*) O livro Menino-Serelepe - Um antigo menino levado contando vantagem  é uma ficção baseada em fatos reais da vida do autor, numa cidadezinha do interior de Minas Gerais, nos anos 1960.
 O livro é de autoria de Antônio Lobo Guimarães, pseudônimo com que Antônio Carlos Guimarães (Guima, de Aguinhas) assina a série MEMÓRIAS DE ÁGUINHAS. Veja acima o tópico Livros à Venda.


Voltar


Publicado por Guimaguinhas em 30/10/2017 às 14h35
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
23/10/2017 08h55
Padre Antônio Lemos Barbosa e a Igreja de N. S. de Copacabana

Ilustração: Imagem de N. S. de Copacabana, de 24/10/1954 - Fonte: http://copacabana.com


SUMÁRIO


Apresentação

Já escrevemos um texto sobre a vida literária do Padre Antônio Lemos Barbosa, que foi pároco em Lambari nos anos 1938-1946 (aqui), bem como sobre sua atuação eclesiástica e acadêmica (aqui).

Neste post, vamos enfocar sua ativa participação na reconstrução da Igreja de Nossa Senhora de Copacabana, no Rio de Janeiro.

Vamos lá.

Voltar


A devoção a N. S. de Copacabana

Originária da Bolívia, a devoção à Virgem Santíssima sob a invocação de Nossa Senhora de Copacabana foi também largamente difundida em Portugal e suas colônias, desde os remotos tempos da união das duas coroas: as de Portugal e de Espanha. Desse modo, a devoção também chegou ao Brasil, ainda no tempo da Colônia.

Uma imagem da Virgem de Copacabana chegou ao Rio de Janeiro no Século XVII e foi levada para um promontório, no ponto terminal da Praia de Copacabana, onde se construiu uma pequena capela, que a tradição carioca denominou Igrejinha. (Primeira Igrejinha) [A Cruz 6 dez 1953]

 Voltar


A original Igrejinha de N. S. de Copacabana

Nos anos 1900, o terreno onde se localizava a Igrejinha de N. S. de Copacabana (Primeira Igrejinha) foi desapropriado para dar lugar ao Forte de Copacabana, visto ser aquela área um ponto ideal para posicionar canhões de longo alcance. O início da construção do Forte de Copacabana ocorreu em 1908, e a fortificação foi inaugurada no dia 28 de setembro de 1914, com a presença do então Presidente da República, Marechal Hermes da Fonseca, e demais representantes da Nação. [1]

Reprodução: fonte: http://www.fortedecopacabana.com


Em 1918, após a inauguração do Forte, o templo de N. S. de Copacabana foi demolido e a imagem ficou na residência de uma família em Correias.

No entanto, em 8 de dezembro 1953, após um exílio de 35 anos, representantes do Exército reconduziram a imagem da santa ao bairro e construíram uma capela provisória (Segunda Igrejinha), no próprio Forte. [2]

Resultado de imagem para igreja de nossa senhora de copacabana

Antiga Igreja de N. S. de Copacabana - Reprodução: fonte: http://copacabana.com/nossa-senhora-de-copacabana/

Voltar


A reconstrução da Igreja de N. S. de Copacabana

Como foi dito, em 1953, a imagem de N. S. de Copacabana foi reconduzida ao bairro de Copacabana e posta em modesta igrejinha provisória.

O jornal O Globo (09-12-1953) assim noticiou o fato:

Copacabana viveu ontem uma noite de tradição, fé e civismo. O Exército nacional, uma grande empresa imobiliária, a OSA - Organização Territorial S.A., e a população católica daquele bairro foram os proporcionadores dessa festa que foi o retorno a Copacabana de sua santa padroeira. A OSA, na pessoa do seu presidente, sr. Silvério Ceglia, restituiu à cidade a imagem de Nossa Senhora de Copacabana, que se encontrava em seu poder desde que aquela companhia adquiriu o Castelo de São Manoel, em Corrêas, que abrigava a preciosa e tradicional imagem. A população católica do bairro mais uma vez manifestou a pujança de sua fé e de seu ardor religioso transportando, em vibrante e inolvidável procissão, a sua querida santa padroeira até o local em que será erguida a sua igreja, ao lado do Forte Copacabana. E coube a um dos católicos mais reconhecidos a honra de lançar a pedra fundamental do novo templo: o brigadeiro Eduardo Gomes.


Igrejinha provisória de N. S. de Copacabana - Reprodução: Revista Vida Doméstica - Ago/1957


Reprodução: Revista Vida Doméstica - Ago/1957


Desde 1954, quando se tornou reitor da Igrejinha de N. S. de Copacabana, Padre Barbosa iniciara campanha para construção de uma nova igreja. Em 1957, o comandante de Artilharia de Costa, Osvino Alves Pereira, deu impulso inicial à execução da obra, em terreno cedido por iniciativa do General Teixeira Lott, por ato do então presidente Juscelino Kubitschek.

Reprodução: fonte: Revista Vida Doméstica n. 473, de 1957

Os recursos provinham de tômbolas, rifas e doações, à frente das quais estava o dinâmico Padre Barbosa, ajudado por uma longa lista de pessoas do Exército, do Governo e da sociedade carioca. [4]

Reprodução: fonte: Revista Vida Doméstica n. 446, de 1955

Reprodução: fonte: Diario Carioca, 25/mai/1956 - Coluna de Jacinto de Thormes

Reprodução: fonte: Revista Vida Doméstica n. 472, de 1957

Reprodução: fonte: Correio da Manhã, 27, set, 1955

Voltar


Outras informações

Abaixo, outras informações sobre o Padre Barbosa:

 

Missa de Sagração da Matriz de N. S. da Saúde em Lambari (1955)

No e-book As Águas Virtuosas de Lambari e a devoção a Nossa Senhora da Saúde, disponível aqui, narra-se, relativamente ao Padre Barbosa, o seguinte:

  • Página 33 - Sua participação na campanha para a construção da nova Matriz de N. S. da Saúde, em Lambari, MG, anos 1950.
  • Página 34 - Início da campanha de arrecadação de fundos e elaboração do projeto da nova matriz (encomendado a Benedito Calixto de Jesus Neto, que foi também responsável pelo projeto do Santuário Nacional de N. S. da Conceição Aparecida).
  • Página 38 - Sua presença  no Congresso Eucarístico Diocesano e dentro dele a solene Sagração da Nova Matriz, dedicada à Senhora da Saúde, no qual celebrou a missa solene (1955)
  • Página 58 - Resumo biográfico (Capítulo: Padres que exerceram seu sacerdócio em Lambari - Padres em destaque)

E-book disponível aqui

Voltar


Nota sobre o falecimento de Padre Barbosa (7 de Setembro de 1970)

Reprodução: fonte: Jornal do Brasil, 7, set, 1970

Voltar


Transferência dos restos mortais do Padre Barbosa para a Igreja de N. S. Copacabana (1975)

Reprodução: fonte: Jornal do Brasil - 6, abr, 1975

Voltar


Liturgia eucarística em memória do Padre Barbosa

Reprodução: fonte: Jornal do Brasil, 4, set, 1980


Voltar


Referências

[1] Jornais A Cruz, - Disponiveis em: http://memoria.bn.br

[1]  Revista Vida Doméstica – Outubro/1959 - Disponível em: http://memoria.bn.br

[2]  http://www.fortedecopacabana.com/historia.html

[2] Correio da Manhã, 15/mar/1957 - 27/set/1955 - Disponíveis em: http://memoria.bn.br

[3]  http://www.paroquiadaressurreicao.com.br/html/historia.html

[4] Revista Vida Doméstica – Agosto/1957 - Disponível em: http://memoria.bn.br

Outras referências

- Revista Vida Doméstica n. 446, de 1955 - Disponivel em: http://memoria.bn.br

- Diario Carioca, 25/mai/1956 - Disponivel em: http://memoria.bn.br

- Jornal do Brasil, 6/abr/1975 4/set/1980 , 7/set/1980 - Disponíveis em: http://memoria.bn.br

 

Voltar


 


Publicado por Guimaguinhas em 23/10/2017 às 08h55
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.



Página 1 de 67 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [próxima»]

As Águas Virtuosas de Lambari e a devoção a N... R$1,00
Os Curadores do Senhor R$20,00
Abigail [Mediunidade e redenção] R$20,00
Menino-Serelepe R$20,00
Site do Escritor criado por Recanto das Letras

Formas de interação com o site GUIMAGUINHAS

- Contato com o site - clique o link e envie sua mensagemhttp://www.guimaguinhas.prosaeverso.net/contato.php

- Contato com o autor - envie mensagem para este e-mail: historiasdeaguinhas@gmail.com

- Postar comentários sobre textos do site - utilize esta ferramenta que está ao pé do textoComentar/Ver comentários 

- Enviar textos: utilize acima: