Guimaguinhas
Memórias familiares e da minha cidade natal
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Meu Diário
13/06/2017 10h53
SUBSÍDIOS PARA A HISTÓRIA DO A.V.F.C. (16) - Campanha do vice-campeonato de 1953

SUMÁRIO


Apresentação

 

Conforme já narramos aqui, aqui e aqui, o Águas Virtuosas chegou à disputa final do Campeonato de 1953, tendo como adversário o Esporte de São Lourenço,  e mesmo ganhando a primeira partida e empatando a segunda, teve de fazer um terceiro jogo, que perdeu, terminando a disputa como vice-campeão.



De qualquer modo, o Águas Virtuosas conquistou de forma brilhante o segundo turno, credenciando-se para a final. É o que veremos a seguir.

Vamos lá.

Voltar


Resenha do segundo turno

 

Carlos Rodrigues Eufrásio, professor de história do Ginásio de Lambari e resenhista esportivo do semanário O ÁGUAS VIRTUOSAS, de Lambari


O professor Carlos Rodrigues Eufrásio resenhou para o semanário O ÁGUAS VIRTUOSAS, de 11 de outubro de 1953, como foi a campanha do Águas Virtuosas no segundo turno.

Eis o seu relato:


​​​​​Reprodução: O ÁGUAS VIRTUOSAS, 11, out, 1953

Voltar


A campanha do segundo turno

O Águas Virtuosas disputou o returno do Campeonato de 1953, promovido pela Liga de São Lourenço, com as seguintes equipes da região:

  • Baependi, Soledade de Minas, Virgínia, Industrial, Ubiratan (Carmo de Minas), União (Itamonte), Esporte Clube e Federal (São Lourenço)

Obteve 5 vitórias, 2 empates e foi derrotado uma vez.


  • 2 de agosto - Águas 1 x 1 Esporte

Reprodução: O ÁGUAS VIRTUOSAS, 2, ago, 1953​​​​​

  • Águas 4 x 1 Virgínia 

Reprodução: O ÁGUAS VIRTUOSAS, 9, ago, 1953

  • Águas 1 x 1 Ubiratan

Reprodução: O ÁGUAS VIRTUOSAS, 30, ago, 1953

  • Águas 3 x 0 Sparta

Reprodução: O ÁGUAS VIRTUOSAS, 30, ago, 1953

  • Águas 7 x 0 Industrial

Reprodução: O ÁGUAS VIRTUOSAS, 6, set, 1953

  • Águas 1 x 2 Itamonte

Reprodução: O ÁGUAS VIRTUOSAS, 20, set, 1953

  • Águas 5 x 0 Federal

Reprodução: O ÁGUAS VIRTUOSAS, 27, set, 1953

  • Águas 2 x 1 Bapendi

Reprodução: O ÁGUAS VIRTUOSAS, 4, out, 1953

Voltar


Destaques e artilheiro

 


Ao final do returno, conquistado pelo Águas Virtuosas, o professor Carlos Rodrigues fez a seguinte avaliação quanto ao desempenho dos atletas:


Reprodução: O ÁGUAS VIRTUOSAS, 11, out, 1953


Algumas avaliações do professor Carlos, postas acima, confirmam o que se sabe de alguns jogadores históricos do Águas. Como por exemplos:

  • Crisóstomo - tinha o apelido de mestre, jogava de cabeça em pé, grande visão de jogo, ditava o ritmo do time.
  • Hélio Fernandes - sempre valente e brigador.
  • Gidão - um dos grandes zagueiros da história do clube.
  • Pinellinho - grande técnica, domínio de bola, dribles sensacionais, chutes espetaculares.
  • Quinzinho - o maior goleador da história do clube, acima chamado de "uma verdadeira máquina": velocidade, aplicação e gols.

Na campanha do returno, o Águas marcou 26 vezes e sofreu 6 gols.

Nas finais, marcou 5 vezes e sofreu 7 gols.

Os artilheiros do time:

  • Quinzinho --> 12, confirmando a fama de maior goleador do Águas Virtuosas. De fato, num semestre fez 15 gols (somando-se os jogos do campeonato e os amistosos), sendo 3 numa única partida (contra o Sparta)
  • Pinellinho --> 7 (dois de pênaltis)
  • Alair --> 4
  • Val --> 4 (1 de pênalti)
  • Fusca --> 3
  • Hélio --> 1

Registre-se, ainda, a realização de 3 amistosos do Águas Virtuosas, realizados no segundo semestre de 1953, nos quais o time fez 11 gols e levou 3. Os jogos de setembro foram comemorativos do 27º aniversário do Águas.


  

Semário O ÁGUAS VIRTUOSAS, 13, set e 18, out de 1953


Confira os resultados e os artilheiros:

  • Domingo - 6 de setembro: Águas 4 x 2 Fábrica de Armas (Itajubá)
  • Segunda-feira - 7 de setembro: Águas 3 x 0 Fama
  • Domingo - 18 de outubro: Águas 4 x 1 Miramar (São Lourenço)

Os artilheiros foram:

  • Alair --> 5 tentos
  • Quinzinho --> 3 tentos
  • Fusca --> 3 tentos

Voltar


Referências

  • Semanário O ÁGUAS VIRTUOSAS, julho a dezembro de 1953. Disponível em: bn.digital.com.br

Voltar


 


Publicado por Guimaguinhas em 13/06/2017 às 10h53
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
01/06/2017 09h29
AS ÁGUAS VIRTUOSAS DE LAMBARY (4) A gruta de Nossa Senhora da Saúde

Ilustração: Portão da gruta de N. S. da Saúde, no Parque das Águas, em Lambari, MG


SUMÁRIO


Apresentação

Logo após a descoberta das fontes das Águas Virtuosas de Lambary, as virtudes miraculosas da água medicinal [1] passaram a ser apregoadas por todos, e elas começaram a ser designadas, já a partir de 1801, por águas santas; a expressão águas virtuosas começa a ser utilizada a partir de 1805. [2]

Essas expressões nasceram provavelmente da crença e da fé populares, por associação dos efeitos medicinais e curadores da água à “tradição católica dos milagres da Virgem Santíssima” [3], como ficou assentado nos costumes devocionais da Região das Águas Virtuosas.  Aliás, A Lenda das Águas Virtuosas bem apanha esse aspecto: a cura de Cecília associa-se à devoção da Virgem Maria[4]

Abaixo vão informações sobre a gruta dedicada a Nossa Senhora da Saúde, cuja devoção está associada desde a descoberta das fontes às virtudes terapêuticas das águas minerais de Lambari.

Voltar


A gruta dedicada a N. S. da Saúde no Parque das Águas

No Parque das Águas em Lambari, há uma gruta dedicada a Nossa Senhora da Saúde, fruto da devoção, da crença e do fervor popular, que a história, a cultura e a religião estabeleceram, ao longo do tempo, entre as propriedades terapêuticas das águas virtuosas e a ação protetora dos que se socorrem à Senhora da Saúde. 



Fonte: www.cidade-brasil.com.br

Voltar


O olho d'água sob a Igreja Matriz

Na encosta esquerda do outeiro onde se ergueram as três igrejas dedicadas a Nossa Senhora da Saúde, em Lambari, há um olho d’água – uma nascente – que dá origem a um pequeno fio d’água.

Há muito se pensa na captação dessa água – que ali brota aos pés da Igreja Matriz de N. S. Saúde – e a construção de uma pequena gruta ou ermida dedicada à Senhora das Águas.

 


Gruta de Nossa Senhora de Lourdes, que havia na entrada do Hospital S. Vicente de Paulo, em Lambari, MG

Voltar


A Série AS ÁGUAS VIRTUOSAS DE LAMBARY

Veja estes outros posts da série:

  • Análises e propagandas das Águas Virtuosas - aqui
  • José Nicolau Mileo e os estudos sobre as águas minerais de Lambari - aqui
  • As "águas santas" e o culto a N. S. da Saúde - aqui
  • Antigos manuais de medicina popular - aqui

Voltar


Referências

  • LEFORT, José do Patrocínio. A Diocese da Campanha. Belo Horizonte : Imprensa Oficial de MG, 1993, p. 206.
  • MILEO, José N. Subsídios para a história de Lambari. Guaratinguetá, SP : Graficávila, 1970, p. 13.
  • CARVALHO, Roberto Junho. A lenda de Lambari por uma perspectiva semiótica: construção de sentido, origens e ideologia. Dissertação (Mestrado) – Universidade Vale do Rio Verde (UninCor), Três Corações, 2015. Disponível (aqui)
  • As versões de A Lenda de Águas Virtuosas – Disponível em: http://www.guimaguinhas.prosaeverso.net/blog.php?idb=50766
  • www.cidade-brasil.com.br 

Voltar


 


Publicado por Guimaguinhas em 01/06/2017 às 09h29
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
26/05/2017 07h55
LITERATURA DE AGUINHAS (24) - Alaíde e Henriqueta Lisboa

SUMÁRIO


Apresentação

Da família Lisboa, nascidos em Águas Virtuosas de Lambary, muitos foram o que se distinguiram nas Academias e nas Letras, como os irmãos Henriqueta, Alaíde, José Carlos e seus sobrinhos Ana Elisa Gregori e Edmar Bacha.

Sobre eles, já escrevemos estes posts:

  • Uma família de escritores e poetas - aqui
  • Henriqueta Lisboa - uma aluna ilustre do Grupo João Bráulio - aqui
  • Lambari em versos (poesia de Henriqueta Lisboa) - aqui
  • Correspondência entre Henriqueta Lisboa e Mário de Andrade - aqui
  • O Palhaço - Henriqueta Lisboa - aqui
  • Alaíde Lisboa - Patronesse do Museu Américo Werneck - aqui

Hoje vamos fazer um resumo biográfico das irmãs Alaíde e Henriqueta Lisboa.

Vamos lá.

Voltar


Alaíde Lisboa de Oliveira (1905- 2007)

Política, professora e escritora.

Alaíde Lisboa de Oliveira  viveu a maior parte da sua 
longa vida na capital mineira, onde atuou em diversas frentes: exerceu 
carreira política, acadêmica e artística. Como escritora, publicou cerca
de 30 livros, entre ensaios da área de Educação, didáticos e 
literários.

Editora Peirópolis.


Nasceu em 22 de abril de 1905, em Lambari (MG), e faleceu em Belo Horizonte, em 2007. Filha de Maria Rita Vilhena Lisboa e do conselheiro João de Almeida Lisboa, fez o curso normal em Belo Horizonte, na Escola de Aperfeiçoamento Pedagógico de Minas Gerais. Ainda na Escola, conviveu com a educadora Helena Antipoff trazida para o Brasil graças ao empenho do professor José Lourenço de Oliveira, com quem Alaíde veio a casar-se, sendo Helena Antipoff madrinha do casamento. 

Doutorou-se em didática pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), da qual se tornou catedrática por concurso público. Exerceu diversos cargos de direção na Universidade, sendo durante 13 anos diretora do Colégio de Aplicação da UFMG, vice-diretora da Faculdade de Educação, primeira coordenadora do mestrado de educação e, finalmente, professora emérita. Paralelamente à bem-sucedida vida universitária, teve intensa atuação política. Após a redemocratização do país, foi eleita vereadora em 1950, sendo a primeira mulher a ocupar este cargo em Belo Horizonte.

Reconhecida como importante personalidade da educação brasileira, Alaíde é membro da Academia Mineira de Letras, recebeu inúmeros prêmios e homenagens e publicou dezenas de livros. Sua obra, especialmente a Nova didática, foi qualiɹcada por Carlos Drummond de Andrade como “inovadora e criativa (…) um trabalho feito de experiência, reflexão e amor à tarefa, com apoio em um grande talento”. Escreveu, entre outros livros, Ensino de língua e literatura, Poesia na escola, Meu coração, Comunicação em prosa e verso, Educação e língua, Bonequinha preta, Gato que te quero gato, além de artigos para revistas e jornais.

Fontes: Câmara de Vereadores de Belo Horizonte; Entrevista concedida a Jovita LeviGrinja em 27.10.1999. 

Biografia extraída de: Dicionário de Mulheres do Brasil - De 1.500 até a atualidade - Schuma Schumaher e Érico Vital Brasil [Org] - Jorge Zahar Editor

Voltar


Site da FAE/UFMG sobre Alaíde Lisboa

FAE/UFMG - Biografia, obras, fotos, videos - aqui


Textos sobre Alaíde Lisboa e vídeos com entrevistas

  • Setenta e cinco anos da Bonequinha Preta - Site Literar - aqui
  • Alaíde Lisboa de Oliveira - Entrevista História de Vida - Centro de Estudos Mineiros - FAFICH/UFMG - 1999 - aqui
  • Entrevista - Canal MIS BH - passagens de sua vida como jornalista, escritora, educadora e a primeira vereadora da Câmara Municipal de Belo Horizonte - [Vídeo Youtube] - aqui
  • Entrevista - Programa Gente: sobre a vida, as mulheres, os sonhos e a esperança - [Vídeo Youtube] - aqui
  • Falecimento de Alaíde Lisboa - Site UFMG - aqui

Capas de livros de Alaíde Lisboa

Voltar


Henriqueta Lisboa (1904-85) 

Poetisa, professora e feminista. 

Henriqueta é autora de uma das obras poéticas mais representativas do século 20. Poeta de produção regular, publicou quase 20 livros de poesia entre 1925 e 1977. Sua produção também inclui ensaios, conferências e traduções. Menos conhecida que sua companheira de geração Cecília Meireles (1901-1964), Henriqueta desenvolveu uma poesia que tem pontos de contato com a de Cecília.  

Rosany Costa


Henriqueta Lisboa (1904-85) Poetisa, professora e feminista. Nasceu em Lambari (MG), em 1904. Filha de Maria Rita Vilhena Lisboa e de João de Almeida Lisboa, político de expressão na República Velha. Fez o curso primário no Grupo Escolar Dr. João Bráulio Júnior, transferindo-se, em 1915, para o Colégio Nossa Senhora do Sion, na cidade de Campanha (MG), onde estudou os clássicos da língua portuguesa e francesa. Em 1924, sua família mudou-se para o Rio de Janeiro, onde Henriqueta continuou os estudos, seguindo cursos de literatura e línguas. Em 1925, publicou seus primeiros poemas no livro Fogo fátuo; em 1929, o livro Enternecimento, que recebeu no ano seguinte o prêmio de poesia Olavo Bilac, da Academia Brasileira de Letras. Em 1935 retornou para Minas Gerais, fixando-se em Belo Horizonte, e foi nomeada inspetora federal de ensino secundário. Em 1936, participou do III Congresso Feminista Nacional, como representante oficial das mulheres mineiras. Em 1943, tornou-se catedrática de Literatura Hispano-Americana da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade Católica de Santa Maria. Entre 1940 e 1945, trocou intensa correspondência com o escritor Mário de Andrade. Em 1963, foi eleita membro do Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais; foi também a primeira mulher a ser eleita para a Academia Mineira de Letras.

Entre outras distinções e homenagens que recebeu, destacam-se o prêmio de poesia Othon Bezerra de Melo, concedido pela Academia Mineira de Letras (1950), o título de Cidadã Honorária de Belo Horizonte (1969), o prêmio Presença da Itália no Brasil (1970), o Prêmio Brasília de Literatura, pelo conjunto de sua obra (1971), o prêmio de poesia da Associação Paulista dos Críticos de Arte (1976). Em 1979, ingressou na Academia Brasileira de Literatura Infantil e Juvenil, recebendo o Diploma de Mérito Poético, por decreto do governador do estado de MinasGerais. Várias obras suas foram vertidas para o francês e para o inglês. Faleceu em Belo Horizonte, a 9 de outubro de 1985.

Ao longo da sua produtiva carreira literária, Henriqueta Lisboa publicou ainda Prisioneira da noite (1941), A face lívida (1945), o ensaio Alphonsus de Guimaraens (1945), Flor da morte (1949), Madrinha da Lua (1952), os ensaios Convívio poético (1955), Lírica (1958), Montanha viva – Caraça (1959), a edição oficial de sua Antologia poética para a infância e juventude (1961), os ensaios Vigília poética (1968), Belo Horizonte bem querer (1972), O alvo humano (1973), Miradouro e outros poemas e Reverberações (1976), Celebração dos elementos – água, ar, fogo e terra (1977) e Casa de pedra (1979). 

Fontes: Abigail de Oliveira (org.), Querida Henriqueta – cartas de Mário de Andrade a Henriqueta Lisboa; Afrânio Coutinho, Enciclopédia de literatura brasileira; Paschoal Rangel, Essa mineiríssima Henriqueta. 

Biografia extraída de: Dicionário de Mulheres do Brasil - De 1.500 até a atualidade - Schuma Schumaher e Érico Vital Brasil [Org] - Jorge Zahar Editor

Voltar


Site da LETRAS UFMG com arquivos de Henriqueta Lisboa

HENRIQUETA LISBOA - LETRAS UFMG  - Vida, obra, correspondência e crítica literária -  aqui


Trabalhos acadêmicos sobre Henriqueta Lisboa

  • Henriqueta Lisboa - Rosanny Costa - Resumo crítico e poesias - aqui
  • Henriqueta Lisboa - Uma biografia intelectual - Constância Duarte-UFMMG - aqui
  • Crítica e recepção nos bastidores do arquivo literário [de Henriqueta Lisboa] Kelen Benfenatti Paiva - aqui

Capas de livros de Henriqueta Lisboa

Voltar


Fotos

Família Lisboa: João de Almeida Lisboa e Maria Rita de Vilhena Lisboa ladeados pelos filhos: João, José Carlos, Alaíde, Henriqueta, Oswaldo e Pedro

Henriqueta e irmãs: Alaíde, Abigail e Maria

Henriqueta Lisboa e amigas - Desfile em benefício do Grupo Escolar João Bráulio Jr. - Lambari, 1927(Reprodução: Revista Fon Fon, n. 18)

Exposição Henriqueta Lisboa - Banco do Brasil - Lambari, MG - 2006

Voltar


Referências

Voltar


 


Publicado por Guimaguinhas em 26/05/2017 às 07h55
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
19/05/2017 15h50
SUBSÍDIOS PARA A HISTÓRIA DO A.V.F.C. (15) - Amistosos contra times do Rio nos anos 1950

Ilustração: Danilo, jogador do Botafogo, que participou de jogo amistoso contra o Águas Virtuosas, realizado em maio de 1956, em Lambari - Fonte: Jornal Diário da Noite


SUMÁRIO


Apresentação

Em meados dos anos 1950, foram realizadas anualmente em Lambari competições esportivas promovidas pelos DIÁRIOS ASSOCIADOS, que editava, entre outros, o jornal DIÁRIO DA NOITE, do Rio de Janeiro, com disputas de troféus de vários modalidades — motonáutica, corrida de automóveis, ginkanas, salto ornamental, etc. — além de apresentações artísticas: balés, desfiles, etc.


Reprodução: Jornal Diário da Noite, 8, mai, 1956


Durante esses eventos, foram programados também alguns jogos amistosos entre o Águas Virtuosas e equipes do Rio de Janeiro, entre elas: Portuguesa, Madureira, Olaria e Misto do Botafogo.

Abaixo vão registros desses encontros futebolísticos. 

Voltar


Amistoso com o Botafogo do Rio de Janeiro

No dia 13 de maio de 1956, um time misto do Botafogo do Rio enfrentou o Águas Virtuosas, vencendo o jogo por 4 x 1.

Por essa época, o quadro principal do Botafogo excursionava pela Europa, mas o time misto contava com grandes jogadores, como Danilo, Paulinho e Gérson dos Santos, um zagueiro dos anos 1950, que foi convocado 4 vezes para a Seleção Brasileira.

Além dos jogadores citados acima, estiveram em Lambari: Antoninho, Otávio, Ari, Edson, Abigail, Brandãozinho.


Bob, Ruarino e Danilo - Fonte: Revista Sport Ilustrado, n. 869, dez/1954

  • Como se recorda, o BOB acima era irmão do ALEMÃO, que jogou e foi técnico do Águas Virtuosas.
  • Sobre BOB, já escrevemos um post. Confira aqui

O técnico do Botafogo era Paulo Amaral, que retornaria a Lambari, em 1966, como preparador físico da Seleção Brasileira, que aqui fez preparatório para Copa do Mundo da Inglaterra.


    

Reprodução: Jornal Diário da Noite, de 9, 11 e 14, mai, 1956


Amistoso com a Olaria do Rio de Janeiro

No domingo de 24 de março de 1957 o grande time do Olaria Atlético Clube de meados dos anos 1950, que tinha nomes como: Ernani, Joel e Renato; Didi, Barbosa e Dodô; Santo Cristo, César, Maxwell, Russo e Mário, jogou partida amistosa contra o Águas Virtuosas, e venceu o time mineiro por 3 x 1, gols de Russo e César.


Reprodução: Jornal Diário da Noite, 20, mar, 1957

Reprodução: Jornal Diário da Noite, 23, mar, 1957

Reprodução: Jornal Diário da Noite, 25, mar, 1957


Amistoso com a Portuguesa do Rio de Janeiro

Resultado de imagem

Reprodução: Jornal Diário da Noite, 4, abr, 1957

Voltar


Amistoso com o Madureira do Rio de Janeiro

Neste amistoso disputado em maio de 1957, atuaram pelo Madureira Esporte Clube, entre outros, os seguintes: Machado, Maurício, Nair, Frazão, Henrique, Bitum, Salvador e Atel.

O time do Rio goleou o Águas Virtuosas por 6 x 2.


Resultado de imagem para madureira futebol

Reprodução: Jornal Diário da Noite, 29, mar e 8, abr, 1957

Voltar


Referências

  • Jornal Diário da Noite - edições citadas acima - Disponível em: www.bn.digital.org.br
  • Wikipedia
  • https://pt.wikipedia.org/wiki/Olaria_Atl%C3%A9tico_Clube
  • https://www.aaportuguesario.com.br/
  • http://madureiraec.com.br/

Voltar


 


Publicado por Guimaguinhas em 19/05/2017 às 15h50
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
19/05/2017 09h49
SUBSÍDIOS PARA A HISTÓRIA DO A.V.F.C. (14) - Uma torcida sempre apaixonada

Este post é dedicado a todos aqueles que um dia torceram pelo time do Águas Virtuosas


SUMÁRIO


Apresentação

Hei de torcer, torcer, torcer…
Hei de torcer até morrer, morrer, morrer…
Pois a torcida americana é toda assim
A começar por mim

(LAMARTINE BABO, HINO DO AMÉRICA, time que inspirou as cores e o escudo do Águas Virtuosas)


A torcida do Águas comemorando a conquista de mais um campeonato nos anos 1980


A condição geográfica de Águas Virtuosas de Lambari — que desde 1896, por via férrea, ligava-se às principais cidades do país: Rio, a Capital Federal, São Paulo, a maior cidade e Belo Horizonte, Capital do Estado — e o grande afluxo de turistas vindos principalmente das duas primeiras metrópoles são fatores que certamente influenciaram a paixão do lambariense pelo futebol e a torcida por clubes do Rio e São Paulo: o primeiro time de gerações e gerações de lambarienses sempre foram clubes cariocas ou paulistas — e até hoje o fenômeno persiste.

De fato, 

Lambari não era uma cidade comum, com rotina diária mais ou menos estática. Suas águas virtuosas atraíam, para temporadas anuais, personalidades destacadas das principais cidades do país, como até mesmo a família do presidente Getúlio Vargas. Elas traziam temas, reflexões e informações que lhe davam um certo ar metropolitano. (1)

Dessa influência sócio-cultural vêm as cores e o escudo do Águas Virtuosas, que foram inspiradas no América do Rio de Janeiro, à época um time bastante conhecido e de grande torcida, pois sagrara-se campeão carioca por anos seguidos: 1913, 1916, 1922, 1928, 1931, e 1935.

E assim também a paixão pelo futebol, pois, desde os primeiros dias da criação do Águas Virtuosas e da inauguração do seu campo de futebol, em 1926, o lambariense frequentou jogos, viajou com o time e torceu muito pela famosa camisa encarnada. 


Reprodução - O Globo - 7 de setembro de 1926


Como se sabe, o time do Águas Virtuosas — que não mais existe — continua sendo essa saudade doída que anos de abandono não conseguem apagar.

Por isso, neste post vamos matar um pouco da saudade e recordar antigas notas sobre a torcida do Águas, por ocasião da conquista do vice-campeonato de 1953.

Vamos lá.

Voltar


Origem da camisa encarnada

Inspirado no time do América do Rio de Janeiro, no ato de fundação do Águas Virtuosas, em 26 de agosto de 1926, o artigo 61 estabeleceu o vermelho e o branco como as cores do clube, e bem assim o modelo da flâmula: toda vermelha, tendo ao centro uma bola branca, com as letras A V entrelaçadas.


Art. 61 do Estatuto de agosto de 1926


 

Fonte: www.americario.com.br

Voltar


Um antigo cronista registra a paixão pela camisa encarnada

 

Reprodução: O ÁGUAS VIRTUOSAS, nº. 26, de 27, dez, 1953


O professor Carlos Rodrigues Eufrásio, que cobriu a campanha do Águas em 1953, registrou em suas crônicas a paixão da torcida do Águas Virtuosas pelo time.

Confira:


Semanário O ÁGUAS VIRTUOSAS, 18, out, 1953

 

Semanário O ÁGUAS VIRTUOSAS, 11, out e 4 nov, 1953

   

Semanário O ÁGUAS VIRTUOSAS: 30 de ago e 30, out, 1953

Voltar


Veja também

  • Os uniformes do Águas Virtuosas - aqui
  • Homenagem à torcida pentacampeã - aqui

Voltar


Referências

  1. Guy de Almeida - No homem, o mestre. In José Carlos Lisboa, o mestre, o homem. Ed. UFMG, 2004
  2. Semário O ÁGUAS VIRTUOSAS, de julho a dezembro 1953 - Disponível em: bn.digital.com.br
  3. Jornal O Globo - 7 de setembro de 1926
  4. www.americario.com.br

Voltar



Publicado por Guimaguinhas em 19/05/2017 às 09h49
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.



Página 1 de 64 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [próxima»]

Os Curadores do Senhor R$20,00
Abigail [Mediunidade e redenção] R$20,00
Menino-Serelepe R$20,00
Site do Escritor criado por Recanto das Letras

Formas de interação com o site GUIMAGUINHAS

- Contato com o site - clique o link e envie sua mensagemhttp://www.guimaguinhas.prosaeverso.net/contato.php

- Contato com o autor - envie mensagem para este e-mail: historiasdeaguinhas@gmail.com

- Postar comentários sobre textos do site - utilize esta ferramenta que está ao pé do textoComentar/Ver comentários 

- Enviar textos: utilize acima: