Guimagüinhas
Memórias familiares e da minha cidade natal
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Meu Diário
20/05/2018 06h40
MEMÓRIAS DE AGUINHAS - Vivendas antigas da Volta do Lago (2) - OLHO D'ÁGUA

 Ilustração: Recorte da inscrição OLHO D'ÁGUA, existente na vivenda do mesmo nome, que pertenceu à professora e museóloga Nair de Moraes Carvalho, situada na Volta do Lago, em Lambari, MG.


SUMÁRIO


Apresentação

Conforme dissemos no número 1 desta série, dedicado ao RETIRO DO LAGO de Gustavo Barroso aqui, nosso objetivo é recordar antigas vivendas* e casas de veraneio na Volta do Lago, um dos recantos mais belos de nossa cidade.

Pois bem, hoje vamos falar da vivenda OLHO D'ÁGUA, que pertenceu à museóloga e professora Nair de Moraes Carvalho, colega de trabalho de Gustavo Barroso no Museu Histórico Nacional (MHN) por longos anos (aqui).

Vamos lá.


(*) Lugar onde se vive; CASA; HABITAÇÃO; MORADA; RESIDÊNCIA:

Apesar deste fresco nome de vivenda campestre, o Ramalhete, (...) tinha o aspecto tristonho de residência eclesiástica... [Eça de Queiroz, Os maias]

Voltar


Quem foi Nair de Moraes Carvalho

Nascida em Salvador, BA, a 27 de junho de 1914, Nair de Moraes Carvalho se formou no Museu Histórico Nacional (MHN), em 1937, no Curso de Museus, vindo a ocupar o cargo de 3º Oficial do MHN.  Depois se tornou, inicialmente, professora e depois coordenadora desse mesmo curso, no período de 1944 a 1967, formando várias gerações de museólogos.

O diploma de Nair, no primeiro curso de museologia do Brasil

Lista de artigos publicados por Nair de Moraes nos Anais do MHN

Ao centro, Gustavo Barroso e Nair de Morais Carvalho, em visita à sede da revista Epopéia, no Rio de Janeiro.


Em 1935, Nair morava no Rio de Janeiro, na casa de seu irmão Bertino, e por essa época, incentivada por ele, iniciou um curso de Biblioteconomia, mantido pela Biblioteca Nacional.

Depois, levada por uma amiga, assistiu a uma aula do Curso de Museus, no Museu Histórico Nacional, se encantou com a disciplina e mudou de curso, vindo a se formar em 1937.

Nair de Moraes trabalhou com Gustavo Barroso no Museu Histórico Nacional de 1937 — quando ingressou — até 1959 — ano em que Gustavo Barroso faleceu.

Muito dedicada a Barroso, foi responsável pela meticulosa elaboração de sua hemeroteca, que pode ser vista hoje no acervo virtual do MHN (aqui).


Fonte: Aline Montenegro Magalhães. In Tecendo memórias. Gustavo Barroso e as escritas de si


Referência ao artigo publicado por Nair de Moraes, quando do aniversário de 70 anos de Gustavo Barroso. Fonte: Ana Cristina Audebert Ramos de Oliveira /PUC/RJ

Voltar


Vídeo: Nair de Moraes Carvalho: 100 anos de vida e trabalho

O vídeo Nair de Moraes Carvalho: 100 anos de Vida e Trabalho, produzido pelo Núcleo de Memória da Museologia no Brasil, narra a vida da brilhante professora e museóloga.

  • Disponível no Youtube - aqui


Ex libris de Nair de Moraes Carvalho

Voltar


Fotos da Olho D´Água

Versos que enfeitam a fachada da OLHO D'ÁGUA

  Esta casa pequenina

  Onde não há dor nem mágoa  

  Cheia de rosa e bonina 

  Tem o nome de Olho d'água  

  Nesta fonte, sem perigo,

  Água fresca tomarás

  E se fores meu amigo

   Muito tempo ficarás.

A vivenda Olho d´Água, que pertenceu a Nair de Moraes Carvalho

Extraído de crônica de Lourdite Cunha

Vista recente da vivenda Olho D'Água (Fonte: GoogleMaps)

Voltar


A vivenda de Lígia de Paula Pinto

Defronte às vivendas de Gustavo Barroso (Retiro do Lago) e de Nair de Moraes (Olho D'Água), na grande curva do Lago Guanabara, situava-se a residência da escritora Lígia de Paula Pinto, atraída a Águas Virtuosas de Lambari por conta de sua amizade com Barroso e Nair de Moraes.

Na curva da Volta do Lago, entre a vegetação, vê-se a antiga vivenda de Lígia Paula Pinto


Os três amigos numa conferência de Gustavo Barroso, em 1957

Fonte: Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, 1957, Vol. 233

Voltar


Referências

  • Lourdite Cunha. Gustavo Barroso - O peão que Lambari pranteia. Unitário, Fortaleza, 13, mar, 1960.
  • Aline Montenegro Magalhães. Tecendo memórias. Gustavo Barroso e as escritas de si. Anais das Jornadas de 2007. Programa de Pós-Graduação em História Social da UFRJ
  • Ana Cristina Audebert Ramos de Oliveira.  O conservadorismo a serviço da memória: Tradição, museu e patrimônio no pensamento de Gustavo Barroso. PUC/RJ, 2003.
  • Biblioteca Virtual do MHN - Acervo de Gustavo Barroso - aqui
  • Youtube
  • Google Maps
  • Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, Volume 233, disponível no GoogleBooks
  • Entrevista com Milburges Prado (Nenê Peão)
  • Acervo do Museu Américo Werneck (Lambari, MG)

Voltar


  

 


Publicado por Guimaguinhas em 20/05/2018 às 06h40
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
14/05/2018 16h17
MEMÓRIAS DE AGUINHAS - O Pavilhão das Fontes de Águas Virtuosas

Ilustração: Recorte propaganda do Rotary Club de Lambari (Distrito 456) - Anos 1970 - Tipografia Castro


SUMÁRIO


Apresentação

Neste post, vamos examinar aspectos dos pavilhões das fontes de nossas águas virtuosas, a começar dos anos 1865, até datas mais recentes.

Vamos lá.

Voltar


O pavilhão das fontes em 1865

Em 1834, os poços das duas nascentes de águas minerais não possuíam nenhuma proteção e se localizavam em um largo denominado Largo da Fonte. 

Na segunda metade da década de 1860, o Largo da Fonte foi reformado e melhorado, e as duas nascentes foram reunidas em um único poço, abrigado em prédio ladrilhado, coberto de telhas e protegido por grades de ferro. 

Em 1888, quando Garção Stockler era o concessionário das águas, a então chamada Praça dos Poços foi cercada com grades de ferros e o balneário foi reformado e posto em funcionamento. A partir daí passou o complexo passou a ser denominado de Parque das Águas (aqui

 Pavilhão protetor do poço da água (ano 1865) [2]


 Aspecto do pavilhão das fontes (anos 1900)

Voltar


Em 1906, após as obras de captação e separação das águas (veja aqui), o pavilhão das fontes recebeu a clássica cobertura de ferro que durou até os anos 1960, quando da reforma feita pela Hidrominas.

Postal dos anos 1900, com o novo pavilhão das fontes

Postal colorido - fontes - anos 1900

Voltar


As fontes em 1906 - João Gomes d'Almeida

É de João Gomes d'Almeida/João Gomes de Almeida Filho, os principais fotógrafos de Águas Virtuosas de Lambary, de quem já falamos aqui, aqui e aqui, esta bela foto datada de 1906:

As fontes em 1906

Voltar


As fontes em 1911 - Américo Werneck

Aspecto das fontes das águas minerais quando da inauguração das obras fundadoras de Aguas Virtuosas de Lambary, que contou com a presença de diversas autoridades da República, entre elas o presidente Hermes Fonseca (aqui, aqui e aqui), 


Os planos de Werneck para o Pavilhão das Fontes

Conforme anotamos aqui, grande parte dos projetos de Américo Werneck para a estância de Águas Virtuosas de Lambary não foi realizada. Como este pavilhão das fontes: 

Detalhe portal do Pavilhão das Fontes

Projeto novo Pavilhão das Fontes


As fontes em 1955 - Visita do Núncio Apostólico

Em junho de 1955, a cidade de Lambari sediou um grande evento da Igreja Particular da campanha: O Congresso Eucarístico Diocesano e dentro dele a solene Sagração da Nova Matriz, a terceira dedicada à Senhora da Saúde, Padroeira do Município, da Cidade e da Paróquia de Lambari.(aqui)

O Núncio Dom Rodrigo Lombardi e autoridades eclesiásticas bebem as águas virtuosas em 1955


Aspecto das fontes nos anos 1950

Propaganda das águas de Lambari dos anos 1950 (presume-se que essa criança seja o lambariense Edmar Bacha, economista e membro da ABL (veja aqui)


As fontes nos anos 1960

Conforme já contamos aqui, no início dos anos 1960, o Parque das Águas estava sob a direção da estatal Hidrominas, e então o pavilhão construído quando da captação das águas, corroído pelo tempo, e imprestável, veio a ser substituído e o parque totalmente reformado.


Na foto acima, dos anos 1960, ao fundo, podem ser vistos

  • mural, ilustrando os passeios de Lambari, e 
  • guardador de copos,

que foram retirados quando das obras de reforma do Parque das Águas, nos anos 1980.

Fonte: [3] 


 

Voltar


As fontes nos anos 1970

Aspectos das fontes nos anos 1970

As fontes em 1971 (Reprodução Revista Petrobras)


As fontes nos anos 1980

Capa da revista A Cigarra de março de 1989

Revista A Cigarra - mar/89 - Reprodução


Aspecto recente das fontes

Atualmente, as fontes preservaram as bicas com formato de peixes e foram revestidas de aço inoxidável.

Voltar


Referências

[1] Site Guimaguinhas - Série O PARQUE DAS ÁGUAS: aqui

[2] MILÉO, José Nicolau. Subsídios para a história de Lambari. Guaratinguetá, SP : Graficávila, 1a. edição, 1970

[3] CARROZZO, João. Lambari, outrora "Cidade de Águas Virtuosas da Campanha. Piracicaba, SP, 1985, 3a. edição

  • Revista Fon Fon nº 19, de 1911 - bn.digital.gov.br
  • Revista Petrobrás/1971
  • Revista A Cigarra - mar/89
  • Museu Américo Werneck - Lambari, MG

Voltar


 


Publicado por Guimaguinhas em 14/05/2018 às 16h17
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
09/05/2018 06h32
MEMÓRIAS DE AGUINHAS - Vivendas antigas da Volta do Lago (1) - RETIRO DO LAGO

Ilustração: Antigo postal da Volta do Lago, na qual se construíram belas vivendas, hoje já demolidas


SUMÁRIO


Apresentação

Neste post, vamos recordar antigas vivendas* e casas de veraneio na Volta do Lago, um dos recantos mais belos de nossa cidade.

De fato, da maioria dos pontos da Volta do Lago pode-se avistar, além, claro, do espelho do Lago Guanabara, também o edifício do Cassino, o Cruzeiro, a Serra das Águas e o Morro do Selado, monumentos naturais e artificiais desta nossa velha e encantadora Águas Virtuosas de Lambary.

Vamos começar esta série com o Retiro do Lago.

Vamos lá.


(*) Lugar onde se vive; CASA; HABITAÇÃO; MORADA; RESIDÊNCIA:

Apesar deste fresco nome de vivenda campestre, o Ramalhete, (...) tinha o aspecto tristonho de residência eclesiástica... [Eça de Queiroz, Os maias]

Voltar


Vivendas do Lago Guanabara

O Lago Guanabara, o seu entorno e a Volta da Mata foram inaugurados por Américo Werneck, em 1911, conforme já se contou aqui e aqui.

Nas décadas seguintes, belas vivendas, pertencentes, entre outras, às famílias de João Lisboa e Gustavo Barroso, foram ali construídas.

Essa é a história que estamos contando nesta Série Vivendas antigas da Volta do Lago.

Volta do Lago praticamente deserta, nos anos 1930

A partir dos anos 1940, novas construções aparecem

Um belo contraste do entorno do Lago Guanabara: ontem e hoje

Volta do Lago povoada e iluminada, na virada do ano (2017-2018)

Artigo sobre Lambari, na Revista IBGE, anos 1940, referia as vivendas em torno do Lago Guanabara (ao fundo)

Anúncio de venda de vivenda na Volta do Lago (Reprodução: Jornal do Comércio, 9,jan.1955)

Voltar


O Retiro do Lago

Meu Retiro à beira do lago é, humildemente comparando, como aquele Moinho que Afonso Daudet alugou, para dele escrever as deliciosas "Letres de mon moulin", embora seu ocupante não tenha pretensões de ser um Daudet.

GUSTAVO BARROSO, Crônica


Gustavo Barroso [Fortaleza, CE, 29/12/1888. Rio de Janeiro, RJ, 3/12/1959]jornalista, escritor, ensaísta, fundador e diretor do Museu Histórico Nacional, por mais de 30 anos, membro da Academia Brasileira de Letras, de quem já falamos aqui e aqui, era apaixonado por Águas Virtuosas de Lambary e aqui construiu o seu Retiro do Lago.

Gustavo Barroso, em 1955, discursando na inauguração do busto de Américo Werneck existente na Praça Conselheiro João Lisboa 


Senhoras Gilberto Câmara e Gustavo Barroso  - Reprodução/Revista O Cruzeiro, 1929


E essa paixão levou a que ele não só tivesse construído o seu Retiro, mas ainda se fizesse acompanhar da amiga e escritora Ligia Paula Pinto e de sua secretária no MHN, a professora e museóloga Nair de Moraes Carvalho, que também tiveram suas vivendas na Volta do Lago.

Voltar


Gustavo Barroso no livro de memórias de José Benedito Rodrigues

Como se sabe, o médico Dr. José Benedito Rodrigues escreveu 3 livros que constituem registro histórico importante para a memória de Lambari e Jesuânia, quais sejam: O retrato do velho médico, Casa Progresso e Pescados no rio da memória, acerca dos quais já falamos aqui e aqui.

Pois bem, no seu livro Casa Progresso, p. 99, ele fez essa descrição de Gustavo Barroso:

No mesmo livro, p. 101, falou das árvores e fruteiras do Retiro do Lago:

Voltar


Antigas vistas do Retiro do Lago

Vista aérea do Retiro do Lago - que se situava pouco depois do Hotel Itaici em direção ao Pinhão Roxo

À direita da foto, o Retiro do Lago; à esquerda, a propriedade de Francisco Costa Prado (Chico Peão)


A casa e cavalariça de Chico Peão.

Vizinhas ao Retiro do Lago, ali eram abrigados e cuidados os cavalos de Gustavo Barroso

Seu Chico Peão 

Voltar


Fotos recentes 

Vistas reproduzidas do GoogleMaps:

Vindo do Hotel Itaici, aqui começava o Retiro do Lago

Neste trecho situava-se o Retiro do Lago

Novos edifícios e construções tomaram o lugar do Retiro do Lago e da antiga propriedade do seu Chico Peão

Voltar


Referências

  • José Benedito Rodrigues
    • O retrato do velho médico - Belo Horizonte : Cutiara, 1993; 
    • Casa Progresso - Belo Horizonte : O Lutador, 1999; 
    • Pescados no rio da memória - Belo Horizonte : O Lutador, 2005.
  • Jornal do Comércio, 9, jan, 1955 (bn.digital.gov.br)
  • Revista O Cruzeiro, 1929 (bn.digital.gov.br)
  • Revista Brasileira de Geografia - out/dez/1947 - IBGE
  • Acervo do Museu Américo Werneck
  • GoogleMaps
  • Entrevista com Milburges Costa Prado (Nenê Peão)

Voltar


 


Publicado por Guimaguinhas em 09/05/2018 às 06h32
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
07/05/2018 20h00
MEMÓRIAS DE AGUINHAS - Irmã Benigna em Lambari (MG)

Ilustração: Recorte - Ilustração do Coral Irmã Benigna - Reprodução - Fonte: www.irmabenigna.org.br


SUMÁRIO


Apresentação

Neste post, vamos recordar a bondosa figura de Irmã Benigna, serva de Jesus, que está em vias de ser beatificada pela Igreja Católica.

Como se sabe, irmã Benigna por 5 anos (1950-1955) serviu no Asilo e Hospital São Vicente de Paulo, aqui em nossa cidade, "transpirando bondade, fé, tranquilidade e vontade de ajudar a todos que a procuravam", como registrou o Dr. José Benedito Rodrigues, que com ela trabalhou naqueles idos de 1950.

Confiram.

Voltar


Dados biográficos

Em 16 de agosto de 1907, nasceu na cidade mineira de Diamantina, Maria da Conceição Santos. De família simples, ela recebeu de seus pais os verdadeiros valores cristãos da religião Católica. Mesmo pequenina, revelava dons divinos e manifestava vocação para a vida religiosa. Participava de celebrações da Santa Missa, coroações, procissões e reza do terço. Em sua terra natal, Irmã Benigna fez o curso primário e aprendeu a tocar vários instrumentos musicais. Era uma jovem muito virtuosa. Como catequista e professora de violão, evangelizava crianças e adultos. Despertava em seus companheiros de infância e mocidade grande amor pelas coisas divinas.

No dia 11 de fevereiro de 1935, dedicado a Nossa Senhora de Lourdes, Maria da Conceição Santos ingressou na Congregação das Irmãs Auxiliares de Nossa Senhora da Piedade. Em 19 de março de 1936, dia dedicado a São José, ela fez seus primeiros votos religiosos nesta congregação mineira, passando a se chamar, a partir desta data, Irmã Benigna Victima de Jesus. Por amor e inspiração divina, ela escolheu este nome, entregando-se à plena vontade de Deus.

  • Veja a íntegra desse texto aqui

Voltar


Irmã Benigna em Lambari (MG)

Na biografia de irmã Benigna, disponível no site oficial que lhe foi dedicado (aqui), encontramos registro de sua passagem por Lambari (MG), nos anos 1950. 

Confira:

Em 1950, Irmã Benigna foi designada a prestar serviços em um Asilo Hospital, na cidade de Lambari/MG. Incansável, ela deixou ali suas marcas, desenvolvendo um grande trabalho como parteira e enfermeira, dedicando carinho e amor a todos, sem distinção, e ensinando que a oração é a força para vencer todas as dificuldades e o caminho para se obter as graças de Deus, junto a Nossa Senhora. O número de pessoas daquela cidade que reconheciam dons especiais e divinos em Irmã Benigna era cada vez maior. (Fonte: Wikipedia)


Asilo e Hospital São Vicente de Paulo (Lambari, MG)

  • Veja também: A fundação do Asilo e Hospital São Vicente de Paulo aqui

Asilo e hospital em Lambari, MG, em que irmã Benigna serviu no início dos anos 1950

Fachada recente do Asilo e Hospital S. V. Paulo


Relato do Dr. José Benedito Rodrigues

O médico Dr. José Benedito Rodrigues, que conheceu e trabalhou com Irmã Benigna no Asilo e Hospital São Vicente de Paulo de nossa cidade, deixou os seguintes testemunhos sobre ela:

Fonte: Retrato do velho médico - J. B. Rodrigues

Fonte: Casa Progresso - J. B. Rodrigues

Voltar


Vídeo

Irmã Benigna se tornou exemplo de esperança e caridade

  O Brasil pode ganhar uma nova beata. É a irmã Benigna de Jesus que nasceu em Minas Gerais e se tornou exemplo de esperança e caridade.

  • Confira neste vídeo da TV Canção Nova aqui

O Coral Irmã Benigna

Irmã Benigna tocava violão e piano, e sua música preferida era a Salve Rainha cantada.

Em homenagem a sua musicalidade, foi criado o Coral Irmã Benigna.


Os restos mortais no Santuário da Piedade

Reprodução. Fonte:  Leandro Couri/EM/D.A Press

Santuário da Piedade recebe restos mortais de Irmã Benigna, rumo à beatificação. O santuário situa-se na Serra da Piedade, em Caeté, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Com muita emoção e acolhidos pelos fiéis, os restos voltam ao local onde, em vida, a religiosa sofreu alguns de seus piores dias.

Confira a reportagem do jornal Estado de Minas


Carta aberta ao Papa Francisco

Carta aberta ao Papa Francisco pela beatificação de Irmã Benigna

(Fonte: http://www.irmabenigna.org.br/)


Referências

  • RODRIGUES, José Benedito. Retrato do velho médico. Belo Horizonte, O Lutador, 1993, p. 90
  • RODRIGUES, José Benedito. Casa Progresso. Belo Horizonte, O Lutador, 1999, p. 88-89
  • Site: www.irmabenigna.org.br
  • Jornal Estado de Minas
  • TV Canção Nova

Voltar


 


Publicado por Guimaguinhas em 07/05/2018 às 20h00
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
25/04/2018 07h29
Vocabulário de Aguinhas (11) Letra "I"

Ilustração: Ancinho, em Portugal também chamado engaço. Imagem de engaços em minaturas. Fonte: torre-moncovo.blogspot - aqui


SUMÁRIO


Também nos divertíamos muito, lembrando ditos, expressões e

trovas populares, além de colecionar palavras em desuso na

língua, catadas tanto aos clássicos como aos matutos do

Sul de Minas Gerais.

(Do livro inédito : Pai Véio, um contador de histórias, de Antônio Lobo Guimarães)

 Pelo que respeita à linguagem, tanto culta, como familiar ou popular,

é lá [em Minas Gerais] que me parece estar a feição primitiva.

(Gladstone C. de Melo, linguista e professor, de Campanha, MG,no livro A língua do Brasil)


Apresentação

A Série Vocabulário de Aguinhas trata-se de uma coleção de palavras e expressões, típicas de Lambari (MG) e região Sul do Estado de Minas Gerais, utilizadas no livro Menino-Serelepe.

Entre essas palavras e expressões, há algumas que são caracteristicamente lambarienses, como já mostramos aqui.

Pois bem, hoje colhemos algumas outras palavras e expressões típicas de Águas Virtuosas de Lambary, utilizadas por Sadonana (Senhora dona Ana, nascida em 1882), na linguagem familiar, conforme nos contou sua neta Sônia Martins Braga.

Vejam que expressões deliciosas:

  • Traquiné: qualquer guloseima fora de hora, como biscoitos e doces.
  • Engana-aquático: biscoito de polvilho.
  • Mistura: refeição feita com carne e ovos.

Aquático, como se recorda, era o nome dado aos turistas que frequentavam as estações de água na região Sul Mineira (aqui).


Além dessas expressões, havia também alguns ditados proferidos por Sadonana:

  • Fulano vivia à vera de libra: abastado;
  • Carapuça na serra, chuva que berra;
  • Tempo de chuva, todo sinal é de chuva.
  • O remédio que tem: a solução que há.

Abaixo vai o número 11 da série VOCABULÁRIO DE AGUINHAS.

Confira.


Aquático

No dicionário Aurélio

Do livro Lambari, a cidade das Águas Virtuosas, de Armindo Martins

Sobre Basílio de Magalhães, veja este post aqui

Quanto ao dicionário de Gustavo Barroso, veja aqui 

Fonte: Aquáticos no Hotel Bibiano - Revista da Semana, 21/mai/1927 (Reprodução: bn.digital.gov.br)

Voltar


Vocabulário de Aguinhas - Letra "I"

Impingem: Erupção, coceira na pele.

Inana: Situação ou acontecimento desagradável; discussão, briga, conflito, pancadaria, confusão. Aborrecimento, amolação, caceteação.

Inconha: Diz-se do fruto que nasce pegado a outro. Diz-se de coisas muito ligadas entre si.

Indez: Diz-se de, ou ovo que se deixa no ninho para servir de chamariz às galinhas.

Infernar: Atormentar, afligir, infernizar.

Ingaço: Corruptela de engaço = bagaço, coisa usada demais, velha, surrada.

Voltar


 Engaço da uva

 Ancinho, em Portugal chamado de engaço.


Engaço - Sentido nos dicionários

O dicionário Michaelus define assim: ramificações do cacho de uvas.

O dicionário Priberam (de Portugal) dá definições mais amplas:

(origem duvidosa) - substantivo masculino

 

1. [Viticultura]  Cacho de uvas despojado de bagos.

2. [Viticultura]  Resíduo das uvas, depois de pisadas e de extraído o vinho. = CADRAÇO, CANGAÇO, CANGANHO, CANGO, CARDAÇO

3. [Agricultura]  Instrumento agrícola em forma de pente, usado para limpar ou aplanar terras agrícolas ou ajardinadas. = ANCINHO, GADANHO
 

Dicionário Priberam da Língua Portuguesa  https://www.priberam.pt/dlpo/enga%C3%A7o

 


Insofrida: Impaciente; pouco paciente para sofrer.

Intojada: Corruptela de entojada: enjoada, metida.

Invernar: Demorar-se em alguma coisa ou lugar além do tempo devido.

Inzemprar: Corruptela de exemplar: Castigar exemplarmente, sobretudo espancando. [Brasileirismo.]

Irmandade da opa: Turma de beberrões; companheirada de copo. Por referência a “opa”, espécie de capa sem mangas, usada pelas confrarias e irmandades religiosas. [Irmão-da-opa = beberrão.] 

Voltar


O livro Menino-Serelepe

  (**) Este Vocabulário de Aguinhas faz parte do livro Menino-Serelepe - Um antigo menino levado contando vantagem, de Antônio Lobo Guimarães, pseudônimo com que Antônio Carlos Guimarães (Guima, de Aguinhas) assina a coletânea HISTÓRIAS DE ÁGUINHAS. V. o tópico Livros à Venda.

Voltar


Veja os demais números desta Série:

  1. Letra "A" - http://www.guimaguinhas.prosaeverso.net/blog.php?idb=36347
  2. Letra "B" - http://www.guimaguinhas.prosaeverso.net/blog.php?idb=37267
  3. Letra "C"http://www.guimaguinhas.prosaeverso.net/blog.php?idb=37892
  4. Letra "D"http://www.guimaguinhas.prosaeverso.net/blog.php?idb=41044
  5. Letra "E"http://www.guimaguinhas.prosaeverso.net/blog.php?idb=42798
  6. Letra "F" http://www.guimaguinhas.prosaeverso.net/blog.php?idb=43080
  7. Letra "G"http://www.guimaguinhas.prosaeverso.net/blog.php?idb=44623
  8. Letra "G"http://www.guimaguinhas.prosaeverso.net/blog.php?idb=43540
  9. Letra "G" - http://www.guimaguinhas.prosaeverso.net/blog.php?idb=48772
  10. Topônimos de Aguinhas http://www.guimaguinhas.prosaeverso.net/blog.php?idb=45064

Voltar


Publicado por Guimaguinhas em 25/04/2018 às 07h29
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.



Página 1 de 71 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [próxima»]

As Águas Virtuosas de Lambari e a devoção a N... R$10,00
Os Curadores do Senhor R$20,00
Abigail [Mediunidade e redenção] R$20,00
Menino-Serelepe R$20,00
Site do Escritor criado por Recanto das Letras

Formas de interação com o site GUIMAGUINHAS

- Contato com o site - clique o link e envie sua mensagemhttp://www.guimaguinhas.prosaeverso.net/contato.php

- Contato com o autor - envie mensagem para este e-mail: historiasdeaguinhas@gmail.com

- Postar comentários sobre textos do site - utilize esta ferramenta que está ao pé do textoComentar/Ver comentários 

- Enviar textos: utilize acima: