Guimagüinhas
Memórias familiares e da minha cidade natal
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Meu Diário
21/12/2018 07h45
BOM NATAL E FELIZ ANO NOVO!

Ilustração: Anunciação aos pastores (Heures a l"Usage de Paris). Reprodução


Ora, havia naquela mesma comarca pastores que estavam no campo, e guardavam, durante as vigílias da noite, o seu rebanho.
E eis que o anjo do Senhor veio sobre eles, e a glória do Senhor os cercou de resplendor, e tiveram grande temor.
E o anjo lhes disse: Não temais, porque eis aqui vos trago novas de grande alegria, que será para todo o povo:
Pois, na cidade de Davi, vos nasceu hoje o Salvador, que é Cristo, o Senhor.
E isto vos será por sinal: Achareis o menino envolto em panos, e deitado numa manjedoura.


Evangelho de Lucas 2:8-12


BOM NATAL E FELIZ 2019

Aos visitantes e colaboradores do site GUIMAGUINHAS desejamos votos de um Feliz Natal e um 2019 de Paz e Prosperidade.


 

Referências

  • Tela Anunciação aos Pastores  (Heures a l'Usage de Paris). Reprodução. Fonte: Jesus no seu tempo. Daniel-Rops. Livraria Bertrand

 


Publicado por Guimaguinhas em 21/12/2018 às 07h45
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
15/12/2018 07h20
MEMÓRIAS DE AGUINHAS - Inauguração do Cassino e Leiteria - 1911

Ilustração: Selo em postal de Águas Virtuosas de Lambary - 9 de maio de 1912


SUMÁRIO

  • Apresentação
  • Posts sobre as obras de Américo Werneck 
  • Cartão postal colorido - 1911
  • Os dizeres do cartão
  • Referências

Apresentação

Como dissemos na página do Facebook do site Guimaguinhas (aqui), deve ocorrer nos próximos dias a reinauguração do CASSINO DE LAMBARI, obra de Américo Werneck.

Facebook/historiasdeaguinhas - Reprodução


De fato, dias antes, a notícia já estava nas redes sociais. Veja-se este post do historiador lambariense Francislei Lima da Silva:

Facebook/francislei.limadasilva - Reprodução


Pois bem, hoje vamos compartilhar com os amigos do site GUIMAGUINHAS uma raro cartão postal colorido do Cassino e Leiteria, inaugurados pelo Presidente da República Hermes da Fonseca, em 1911.

Vamos lá.

Voltar


Posts sobre as obras de Américo Werneck disponíveis no site GUIMAGUINHAS

  • As obras fundadoras de Lambari: AQUI
  • Inauguração das obras de Werneck: AQUI
  • Inauguração da "Vichy Brazileira" - AQUI e AQUI
  • Os planos de Américo Werneck para a estância hidromineral de Águas Virtuosas - AQUI  e   AQUI
  • Fotos históricas da inauguração das obras de Werneck em Águas Virtuosas - AQUI

Voltar


Cartão postal colorido - 1911

Abaixo um raro e histórico cartão postal de Águas Virtuosas, mostrando o Casino Estabulo de Lambary.

E por que então dizia-se leiteria e não estábulo?

Como visto aqui e aqui, a leiteria, inaugurada em 1911 como tal, na realidade tratava-se de um estábulo adaptado, cuja obra não foi concluída e nunca cumpriu sua finalidade: servir leite fresco, ao pé da vaca, para os turistas, crianças e convalescentes.


Voltar


Os dizeres do cartão

O cartão postal foi endereçado a Maria Barguetia Marcondes Pestana, residente na Rua Vasco da Gama, n. 11, São Paulo, e em seu verso está escrito:

Lambary, 9-5-12

Que todos estejam bem são os meus desejos.

Fui bem de viagem e tenho passado melhor do estômago.

Espero estar de volta pelo fim deste.

Lembranças a todos.

M. J. Rodrigues Vilhena


  • Lambary, então, se escrevia com y
  • No selo postal está: Águas Virtuozas - Minas, com z
  • Vê-se que o sr. M. J. estava em Águas Virtusas para estação de tratamento, e que já sentia melhoras.

Voltar


Referências

  • Agradecemos a Egberto Nascimento a cessão do cartão postal acima
  • Facebook/francislei.limadasilva
  • Facebook/historiasdeaguinhas
  • Museu Américo Werneck - Lambari, MG

Voltar


 


Publicado por Guimaguinhas em 15/12/2018 às 07h20
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
08/12/2018 10h46
AGUINHAS JÁ TEVE (5) - Fábrica Imasa

Ilustração: Propaganda da IMASA (recorte)


SUMÁRIO


Apresentação

Na Série Aguinhas já teve, publicamos os seguintes posts:

  • Tantas coisas se foram... - aqui
  • Bar do Juca aqui
  • Colégio Santa Terezinha - aqui
  • Teleférico - aqui

Hoje voltamos ao tema para relembrar a IMASA, fábrica de limpadores de para-brisas inaugurada em Lambari em abril de 1977, e que também já se foi...

Vamos lá.


IMASA

A IMASA foi fundada em abril de 1977 pelos irmãos Silvio José da Cruz e Antônio Henrique da Cruz, então proprietários das Indústrias ABI S.A., e o evento contou com a presença de diversas autoridades, entre elas o governador de Minas Gerais Aureliano Chaves de Mendonça.

Reprodução - Jornal do Comércio, 13, abril, 1977

Voltar


Voltar


Inauguração pelo governador Aureliano Chaves

O evento de inauguração contou com a presença do governador do Estado Aureliano Chaves e de autoridades e convidados.

O governador Aureliano Chaves examina um para-brisa fabricado pela IMASA

O governador recebe cumprimentos. Ao fundo, de terno branco, Sílvio Cruz

Antônio Henrique mostra ao governador um para-brisa que acabara de ser produzido

À esquerda, de terno branco, o promotor Toninho Ferreira. Ao fundo, vê-se Egídio Ieno, contador da empresa

Voltar


Produção para exportação

Destinadas aos Estados Unidos, México, Venezuela e outros países da América Latina, diversas caixas do produto aguardavam o transporte até o Porto de Santos.

Caixas com limpadores de para-brisas para exportação

Cleuza de Souza, funcionária da IMASA

Voltar


Referências

  • Jornal do Comércio, de 13, abril, 1977 (bn.digital.gov.br)
  • Arquivos de Antônio Henrique da Cruz

Voltar


 


Publicado por Guimaguinhas em 08/12/2018 às 10h46
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
05/12/2018 08h31
ÁGUAS VIRTUOSAS FUTEBOL CLUBE (68) - Notas de falecimento

Ilustração: Egberto (Véio), Guima e Jorginho Coca-Cola, no time do Águas Virtuosas de 1975


SUMÁRIO


Apresentação

Dois ex-jogadores que passaram pelo Águas Virtuosas Futebol Clube faleceram recentemente. O lambariense José Carlos da Silva — o Carlinhos — que era tratado por Cabritinho, e Jorge Ferrari Filho, tricordiano, conhecido por Jorginho Coca-Cola.

Homenageando sua memória, e abraçando seus familiares, vamos recordar um pouco de sua passagem pelo nosso clube.


Cabritinho

Cabritinho jogou no Vasquinho e no Águas Virtuosas nos anos 1960, e atuava na lateral-direita. Exercia a profissão de sapateiro e tinha oficina num prédio antigo, que foi demolido e deu origem à Caixa Federal (esquina das ruas Garção Stockler e Wadih Bacha).

Cabritinho e familiares (Reprodução. Facebook/Luiz Carlos da Silva (Cal)


Por essa época (anos 1960), eu atuava no Juvenil do Águas e participava dos treinos do time profissional do Águas Virtuosas. Eu, Xepinha, Rubens Nélson, entre outros do time Juvenil, sempre íamos visitá-lo na sapataria conversar sobre futebol, e aproveitávamos para dar um trato em nossas chuteiras: remendos, travas, graxas...

Nos anos 1970, mudou-se para São Paulo, e por lá se aposentou. Passou os últimos tempos em Lambari, e aqui faleceu em 2018.


Vasquinho dos anos 1960: Em pé, entre outros: Guinho, Zoinho, Cabritinho, Gil, Nambu, Tinz, Delém, Jaú e Chanchinha. Agachados:Zé Aírton, Sérgio, Ampirinho, Zezé Gregatti, Betinho e Chá.


 

Águas (amador), anos 1960: Em pé,  Ademir, Nambu, Chanchinha, Chá, Alemão, Motinha e Delém. Agachados: Cabritinho, Sérgio, Valmando, Evaldo, Betinho e Zezé Gregatti


 

Águas 1960 (base do time que se tornaria profissional em 1967): Em pé, entre outros: Cabritinho, Delém, Motinha, Zezé Gregatti e Folhão. Agachados: Valmando, Miltinho, Damião, Betinho e Evaldo.


Jorginho Coca-Cola

Jorginho atuou em Lambari, pelo Águas Virtuosas, nos anos 1970. De estilo alegre e brincalhão, era o mais falante e gozador de todo o grupo.

Jogava como atacante, e, mesmo sendo de estatutura baixa, enfrentava bravamente zagueiros altos e fortes e era excelente cabeceador. 

Depois dessa época, nos encontramos em jogos por times de Veteranos de Lambari e Três Corações, onde reencontrávamos outros tricordianos que atuaram em Lambari: Coador, Adílson, Hélio Alves, Ita...


Reprodução. Facebook Valerio Neder


Time do Águas (1975). Em pé: Edson, Tinz, Celinho, Tucci e Gabriel. Agachados: Véio, Guima, Jorginho, Xepinha e Décio.


1975: Gol do Águas, contra o Esporte de São Lourenço (Jorginho, de cabeça). Na foto, pela ordem: Jorginho, Gabriel (de costas) e Guima, comemorando.


Referências

  • Facebook/Valerio Neder
  • Facebook/Luiz Carlos da Silva (Cal)
  • Arquivo pessoal do autor

 


Publicado por Guimaguinhas em 05/12/2018 às 08h31
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
26/10/2018 03h39
VOCABULÁRIO DE AGUINHAS - Expressões típicas do Sul de Minas

Ilustração:  Capa do livro Frazes feitas, de João Ribeiro


SUMÁRIO


Vocabulário de Aguinhas


Também nos divertíamos muito, lembrando ditos, expressões e

trovas populares, além de colecionar palavras em desuso na

língua, catadas tanto aos clássicos como aos matutos do

Sul de Minas Gerais.

(Do livro inédito : Pai Véio, um contador de histórias, de Antônio Lobo Guimarães)

 

Pelo que respeita à linguagem, tanto culta, como familiar ou popular,

é lá [em Minas Gerais] que me parece estar a feição primitiva.


(Gladstone C. de Melo, linguista e professor, de Campanha, MG,no livro A língua do Brasil)


Apresentação

Como já dissemos nesta Série Vocabulário de Aguinhas, no Apêndice ao livro Menino-Serelepe (*) inserimos um pequeno vocabulário, com cerca de quinhentas palavras e expressões utilizadas na elaboração das narrativas das memórias de minha infância.


Os mais antigos hão de se lembrar de expressões como estas, por exemplos:

  • Frango de São Roque
  • Igual ao seu nariz!
  • Malemá

Confira aqui os significados


Abaixo vai uma pequena seleção de expressões típicas e curiosas que se falavam naqueles anos 1960 nesta região do Sul de Minas.

Vamos lá.

Voltar


Vocabulário de Aguinhas - Seleção de expressões típicas do Sul de Minas 

 

Num texto que publicamos aqui no GUIMAGUINHAS (Sentinelas da línguaaqui), falamos de João Ribeiro e seu livro Frases feitas, um clássico da fraseologia brasileira.

Reprodução: Internet

A modesta coletânea abaixo é uma pálida imagem dessa grande obra.

Veja agora uma amostra [das letras A a E] de expressões colhidas do nosso Vocabulário de Aguinhas:


A leite de pato: Jogar de brincadeira, sem valer nada.

À riviria: Corruptela de à revelia, com o sentido de grande quantidade, fartura, exagero, descontrole.

Às encobertas: Às escondidas. 

Às gatas: A todo custo [à gata].

Água de barrela: Água em que se ferve cinza que é usada para branquear roupa. 

Andar de bonde: Andar de braços dados. [Gíria ocorrente em Aguinhas.] 

Um casal e filha passeiam por Águas Virtuosas de Lambari, início dos anos 1900 (Acervo de João Gomes d'Almeida e João Gomes de Almeida Filho)


Andar de latinha: Caminhar sobre latinhas (geralmente de massa de tomate), nas quais se fez um furo e se passou um barbante para encaixar o dedão do pé e controlar os passos. 

Reprodução:dicasdemaeparamae.blogspot.com


Bar copo-sujo: Botequim. [Gíria ocorrente em Aguinhas.] 

Beata de fita: Mulher muito rezadeira que usa fita de alguma congregação. 

Boi da guia: Animal que, em um carro de bois, faz parte da dupla dianteira.

Câimbra de sangue: Corruptela de câmaras ou cambras. Diarréia forte, com fluxo de gotas de sangue. 

Caixa-pregos: Lugar muito distante. 

Cafundó do Judas: Lugar distante e de difícil acesso. 

Camisa de onze varas: Dificuldade grande em que alguém se mete e da qual é difícil ou impossível sair. 

Canto chorado: Da expressão “Trazer num canto chorado”, isto é, debaixo de rigorosa vigilância.

Chá de marmeleiro: Surra de vara de marmelo, que são varas longas e flexíveis, bem jeitosas para se bater. 

Chamar na chincha: Chincha é uma faixa de couro ou de qualquer tecido forte, que se usa, sempre bem justa, para segurar a sela. Chamar na chincha = Dar um aperto. 

Cheio de nove-horas: Gente presumida, complicada, enjoada. 

Cortar talão: Pagar imposto na coletoria, onde o documento era selado. Por extensão: passar escritura. 

Couro atanado: Couro curtido com casca de angico, ou outros vegetais que possuem o tanino.

Reprodução: Freeimages


Dar o pira: Fugir, dar o fora, desaparecer rapidamente.

Dar pepé: Fazer com as mãos apoio para que alguém ponha os pés com o intuito de ganhar altura e saltar um muro, subir num móvel, etc.

De chifre cheio: Bêbado, encachaçado. 

De mamando a caducando: De criança a homem velho. 

De entuviada: Depressa; desordenadamente. 

Dever os cabelos da cabeça: Estar muito endividado.

Dia de saco: Dia de sábado. [Costume do interior: Dia de sair da venda com o saco de compras da semana.]

Antigo saco de estopa (Reprodução: Mercado Livre)


Duma figa: Manifestação de pouco apreço ou de irritação. 

Escovar a garganta: Pigarrear antes de falar. 

Esfola-caras: Barbeiro ruim, que não sabe fazer barbas. 

Estar de enguiço: Estar com má sorte, com urucubaca, azarado. 


Significados:

  • Frango de São Roque ► Homem ou mulher que não casou, solteirão ou solteirona
  • Igual ao seu nariz! ► Coisa mal feita, mal arranjada, mal disposta
  • Malemá  Corruptela de mal-e-mal = Pouco mais ou menos; sofrivelmente.  Parcamente, escassamente; mal mal. 

Voltar


Referências

Fontes de consultas principais: 

  • Pequeno Dicionário da Língua Portuguesa, Aurélio Buarque de Holanda
  • Aurélio Eletrônico, Século XXI
  • Dicionário de Vocábulos Brasileiros, Beaurepaire-Roban
  • O Dialeto Caipira, Amadeu Amaral
  • Dicionário Sertanejo, Cornélio Pires
  • Dicionário da Terra e da Gente de Minas, Waldemar de Almeida Barbosa
  • Novo Dicionário da Gíria Brasileira, Manuel Viotti.

 


Agradecemos a colaboração da sra. Luíza Silvestrini da Cruz, neta de João Gomes d'Almeida e sobrinha de João Gomes de Almeida Filho, pelas informações prestadas e cessão das fotos utilizadas neste post.

Voltar


Menino-Serelepe (*)

2735.jpg

(*) Menino-Serelepe - Um antigo menino levado contando vantagem trata-se de uma ficção baseada em fatos reais da vida do autor, numa cidadezinha do interior de Minas Gerais, nos anos 1960.
 
O livro é de autoria de Antônio Lobo Guimarães, pseudônimo com que Antônio Carlos Guimarães (Guima, de Aguinhas) assina a série MEMÓRIAS DE ÁGUINHAS. Veja acima o tópico Livros à Venda.


Publicado por Guimaguinhas em 26/10/2018 às 03h39
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.



Página 1 de 75 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [próxima»]

Espaço Francisco de Paula Vítor (Padre Vítor)

 

Aprendizado Espírita Net

 

 

As Águas Virtuosas de Lambari e a devoção a N... R$1,00
Os Curadores do Senhor R$20,00
Abigail [Mediunidade e redenção] R$20,00
Menino-Serelepe R$20,00
Site do Escritor criado por Recanto das Letras

Formas de interação com o site GUIMAGUINHAS

- Contato com o site - clique o link e envie sua mensagemhttp://www.guimaguinhas.prosaeverso.net/contato.php

- Contato com o autor - envie mensagem para este e-mail: historiasdeaguinhas@gmail.com

- Postar comentários sobre textos do site - utilize esta ferramenta que está ao pé do textoComentar/Ver comentários 

- Enviar textos: utilize acima: