Guimaguinhas
Memórias familiares e da minha cidade natal
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos


O mais triste dia da vida dos meninos botafoguenses

SUMÁRIO

- Crônica - O mais triste dia da vida dos meninos botafoguenses

Para Alexandre, Zélias, Andrezinho, Rubens Nélson e Xepinha — amigos da infância e da bola, que conservo até hoje.

?id=894043&maxw=550&maxh=1200&bgcolor=tr

Time Mirim do Águas Virtuosas - 1966. Na foto: Andrezinho, Zé Maria, Xepinha, Rubens Nélson e Roberto

Alexandre, Zélias e Guima, do Juvenil do Águas Virtuosas
Crônica

O mais triste dia da vida 
dos meninos botafoguenses

Tarde do dia 12 de maio de 1965.

No Rio de Janeiro, Botafogo e Fluminense se preparam para uma partida do Torneio Rio-São Paulo (aqui).


Em Aguinhas, Sul de Minas Gerais, no pequeno gramado da pracinha do prédio da antiga prefeitura (onde hoje funciona o fórum), 6 meninos, alunos do Grupo João Bráulio, batiam bola.

Ao fundo, na casa do promotor Dr. Ferreira, apaixonado torcedor do Fluminense, no rádio ligado em volume máximo, Jorge Curi preparava-se para mais um clássico do futebol brasileiro
o Clássico Vovô.
.....................................

— Já  dois times, vamu jogar! — disse o Guima. ​— Três do Botafogo e três do Fluminense, tá dividido. Topa?
— Par! — Ímpar! — Ganhei! — disse o Alexandre — Bola é nossa e ocês tira a camisa!
— Bola só sai na linha de fundo, num vale ficar dentro do gol, canelada é chute direto, dois num é falta, quem isola, busca — um deles anunciou as regras do jogo.
— E num vale bicuda, que a bola ainda nem foi usada — ordenou Andrezinho, o dono da bola de capotão número 3, estralando de nova.


De quatro metades de tijolos montaram as traves. No esquadrão alvinegro, alinharam-se Guima, Xepinha e Rubens Nélson. No tricolor, Alexandre, Zélias e Andrezinho. Guima e Alexandre, zagueiros; Rubens Nélson e Zélias, no meio;  Xepinha e Andrezinho, no ataque. 

E dois jogos inesquecíveis começaram ao mesmo tempo...


— É goool! Gooooollllll! Jaiiiirziiinhooo, camisa número 7! Eram decorridos 6 minutos da etapa inicial! — esgoela Jorge Curi, para alegria do trio botafoguense. Inspirado, Xepinha recebe lançamento de Rubens Nélson e, a la Jairzinho, dribla dois e anota o primeiro gol.

E jogo que segue, lá e cá...

Durou, no entanto, pouco mais de meia a hora a alegria dos botafoguenses. Em menos de 7 minutos escutaram, por três vezes, bordões inconfundíveis do locutor caxambuense, anunciando a virada tricolor, que marcou, sucessivamente, com Evaldo, Antunes e Amoroso:


— Golaço! Açoo! Açooo!!!
— Dá-lhe garoto!
— Anootem!... Teempo e plaacar no Maior do Mundo! São decorridos 42 minutos da etapa inicial. 
Fluminense 3, Botafogo 1!

— Ééé, mas aqui 3 a 1 pra nóis, num dianta chorar — falou Guima tentando abafar a gozação dos tricolores.
— Pois
is vai virar no segundo tempo! afirmaram confiantes Rubens Nélson e Xepinha. — Jairzinho e Roberto vão fazê  4 gol!
— Sou tricolor de coração ! Sou do time tantas vezes campeão! — prosseguiu zombeteira a torcidinha mirim do Fluminense, sem dar ouvidos às bravatas alvinegras.

Veio o segundo tempo e Antunes, Gílson Nunes e novamente Evaldo selaram a sorte do Botafogo:
6 x 1 Fluminense!

— É goleada! É goleada! 
— Aqui tamém é goleada, seus
bobo! Tá 5 a 1 pro Bota, hehe!
— Pelada na pracinha num vale goleada no Maracanããã!!!... — devolveu a equipe tricolor.

De repente, no rádio:

— É penalti para o Fogo! Penalti!!! — Jorge Curi anuncia.

Expectativa na pracinha.

— Correu, atirou. É gol! Gooolll!!! Gérson, camisa número 10. Eram decorridos 33 minutos de luta na etapa final! Agora, noo placaarrr: 
Fluminense 6, Botafogo 2! 

Falta 15, ainda dá pra empatar! —  Xepinha falou, sem muita convicção.
— Esperança é a última que morre! — Guima tentou animar o trio alvinegro.
— Navio já afundou! Navio já afundou!  Num adianta chororô! — Os tricolores, dando pulinhos de contentamento, devolveram no ato.


Mas logo se calaram, pois Xepinha, magoado e de cara feia, meteu a bola no vão das pernas de quantos adversários viu pela frente e assinalou, inapelavelmente, no improvisado maracanã de Aguinhas: Botafogo 7, Fluminense 1.

Mas o sofrimento não havia acabado: aos 35 minutos do segundo tempo Gílson Nunes deu números finais ao que se tornaria  o mais triste dia da vida dos meninos botafoguenses: FLUMINENSE 7, BOTAFOGO 2!

E, para cúmulo do azar, Andrezinho marca um gol...

E, assim, no Sul de Minas, em Aguinhas, o jogo também terminava: 
BOTAFOGO 7, FLUMINENSE 2!...


.....................................
— A revanche será no jogo de botão, na sala de tacos da casa do Guima — avisou Alexandre, mordido pela derrota, mas mostrando sete com os dedos para os  amigos botafoguenses...

Os times do Botafogo e Fluminense de 1965
afonsinho+-+foto+5.jpg

Botafogo de 1965. Em pé: Mura, Zé Carlos, Afonsinho, Manga, Rildo e Dimas. Agachados: Roberto, Gerson, Sicupira, Jairzinho e Artur. (Reprodução: www.literaturanaarquibancada.com)


Reprodução: www.soumaisflu.com.br

Ficha do jogo
 

Jorge Curi

Jorge Curi (Caxambu, 25 de fevereiro de 1920 – 23 de dezembro de 1985) foi radialista e locutor esportivo brasileiro. Filho do comerciante José Kalil Curi e de Maria Curi, teve oito irmãos, entre os quais, o cantor, compositor e humorista Ivon Curi e o também radialista Alberto Curi.

Iniciou sua carreira numa emissora local de sua cidade natal, Caxambu, em 1942. No ano seguinte, teve a chance de fazer um teste para a Rádio Nacional, onde, aprovado, permaneceu até 1972, quando se transferiu para a Rádio Globo.

Foi um dos maiores locutores de seu tempo, ao lado de Oduvaldo Cozzi, Waldir Amaral e Doalcey Bueno de Camargo. Além de locutor esportivo, também conduziu o programa dominical de calouros A Hora do Pato.

Narrou nove copas do mundo e era torcedor fanático do Clube de Regatas do Flamengo.

Morreu vitima de acidente automobilístico próximo a Caxambu, para onde se dirigia para os festejos de Natal e de Ano Novo. Pouco antes, havia se transferido para a Rádio Tupi. (
Fonte: Wikipedia)

 
Jorge Curi, o locutor padrão do rádio brasileiro (aqui)
Jorge Curi narrando gol de Jairzinho, em 1972 (aqui)

Referências

- http://www.panoramatricolor.com.br
- http://futpedia.globo.com/
- www.literaturanaarquibancada.com
- www.soumaisflu.com.br
- http://radios.ebc.com.br
- wikipedia
Guimaguinhas
Enviado por Guimaguinhas em 01/06/2016
Alterado em 14/06/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Os Curadores do Senhor R$20,00
Abigail [Mediunidade e redenção] R$20,00
Menino-Serelepe R$20,00
Site do Escritor criado por Recanto das Letras

Formas de interação com o site GUIMAGUINHAS

- Contato com o site - clique o link e envie sua mensagemhttp://www.guimaguinhas.prosaeverso.net/contato.php

- Contato com o autor - envie mensagem para este e-mail: historiasdeaguinhas@gmail.com

- Postar comentários sobre textos do site - utilize esta ferramenta que está ao pé do textoComentar/Ver comentários 

- Enviar textos: utilize acima: