Guimagüinhas
Memórias familiares e da minha cidade natal
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos


Ilustração: Antônio Carlos Guimarães (Guima), com 12 anos, na antiga Farmácia Santo Antônio, em Lambari, MG

SUMÁRIO

     - Apresentação
     - Uma vida na farmácia
          Notas
     - Referências
     - O livro Menino-Serelepe

 

Apresentação

No texto Aprendiz de farmaceiro (aqui), extraído do livro Menino-Serelepe, eu narro passagens dos tempos em que trabalhei com meu pai (O Dé da Farmácia), na Drogaria Santo Antônio, nos anos 1960.
 
?id=1016423&maxw=495&maxh=660  Inspirado nessa minha experiência de aprendiz de farmaceiro — junção de farmácia + caixeiro , foi que escrevi também o texto Uma vida na farmácia do livro Os Curadores do Senhor — uma novela ficcional sobre curas paranormais, cuja história se passa na fictícia Aguinhas — nome literário adotado para a cidade de Águas Virtuosas de Lambari
 

Guima, com 12 anos, na Farmacia Santo Antônio

Pois bem, abaixo vai um trecho dessa narrativa.

Confira:

Uma vida na farmácia

Aguinhas, numa tarde do começo de agosto de 1963 
 
ERAM DUAS HORAS DA TARDE quando o ônibus chegou ao centro de Aguinhas e parou na agência da Evanil. Dele apeou um homem alto, com mala e pasta de mão, que tratou de ajeitar bem o capote e o cachecol para enfrentar o vento gelado que subia pela rua assoviando e varrendo folhas e ciscos. Desse modo seguiu até chegar a uma farmácia bastante antiga e acreditada, bem posta na esquina da Rua Direita; quando chegou, a ventania já amainara. Ao entrar, deparou-se com um menino conduzindo um carrinho de madeira rústico, todo pintado de branco, a não ser na parte da frente, onde se podia ler na tábua de pinho o nome:                  
 
Dentro do carrinho, uma lata vazia de tinta Sherwin-Williams com lixo; um velho balde de aço estanhado com a marca ABI, com água pela metade; um recipiente de água sanitária; uma garrafa de cerveja, à qual fora colada uma etiqueta: Álcool; e uma pequena garrafa de guaraná em que se lia: Solução Ácido Fênico – Cuidado! Pendurados nos varais do veículo, de um lado, três panos, um para cada tipo de limpeza; de outro, vassouras e espanadores. 
 
– Bonito carro, garoto, disse o homem. – Eu é que fiz, respondeu orgulhoso o pequeno. E certamente isso era verdade, que o manufator aprendiz deixara sinais de martelo, serrote, grosa a revelar um menino esperto, mas ainda inexperiente nas artes da marcenaria. Claramente era melhor na arte da limpeza, dado que o chão de ladrilhos surrados estava brilhando, as prateleiras espanadas, os vidros dos balcões impecáveis. 
 
– Você fez bom uso da caixa de TONIFORTIN. Coisa rara! Difícil de se ver hoje em dia! – disse o homem. – Meu pai trabalhou com esse artigo, há muitos, muitos anos – falou.

– E a limpeza? – perguntou em seguida – Água sanitária no chão, álcool nas vitrines e ácido fênico na assepsia, não é?

– Isso mesmo! Como o senhor sabe?

– Eu também já fui menino-aprendiz de farmácia. Faz muito tempo. Depois virei farmacêutico. E você, vai ser farmacêutico também?

– Não, meu pai não pode pagar a escola. Eu vou ser “farmaceiro”, como ele.

– “Farmaceiro”?

– É... uma mistura de caixeiro com prático de farmácia. E emendou: – O senhor é farmacêutico ou viajante? 

– Os dois, quer dizer, um farmacêutico que viaja propagandeando e vendendo produtos farmacêuticos – respondeu.

– Ah, como o dr. Paulo, da Rhodia. Espere um minuto que vou chamar meu tio, que é quem faz as compras – disse sorrindo. – Por favor, faça isso. Diga que é Oliveros Lião, do LABORATÓRIO LIONÊS, do Rio de Janeiro.  
 
E o pirralho saiu zunindo farmácia adentro.

E enquanto esperava, o viajante viu algumas pessoas próximas ao balcão, também aguardando atendimento, e passou a examinar atentamente as instalações antigas, pintadas de branco: altas prateleiras com medicamentos, balcões envidraçados com perfumarias, armários chaveados com joias, relógios e bijuterias, cartazes de propaganda, o relógio cuco, a balança Filizola. E, então, sentiu-se novamente o jovenzinho que cresceu dentro do estabelecimento do pai, na cidadezinha do interior nos anos 1930/40, e num átimo viu passar diante dos olhos o filme de sua vida...

Notas:

 
- Fharmacia da Empreza - Uma das primeiras farmácias de Águas Virtuosas de Lambary, pertencente à família Lisboa, onde trabalharam meu pai (Dé da Farmácia) e meu tio João Guimarães (Joãozinho Bode). Veja estes posts aqui e aqui



Antigo ônibus da Evanil. Reprodução. Fonte: fichadeonibus.blogspot.com.br

 
- A Evanil - Foto de um antigo ônibus da Evanil, que fazia a linha Lambari-Rio de Janeiro, nos anos 1960-70. As cores verde, amarelo e azul eram a marca da companhia.

- Balança Filizola - As tradicionais balanças Filizola geralmente eram encontradas nas antigas farmácias do nosso país. E como está no texto acima, havia uma também na Farmácia Santo Antônio, em Lambari, MG.


 
Reprodução capas antigos almanaques. Fonte: Memória Rodrigo Lopes

 
- Tonifortin - Nome fictício de um fortificante, similar aos Biotônico Fontoura e Sadol, fortificantes em moda nos anos 1960.
- Paulo da Rhodia - Referência ao Dr. Paulo Furtado, que foi farmacêutico responsável pela Farmácia Santo Antônio, em substituição a Armindo Martins, que falecera. Paulo, casado com Helen, morava em Lambari e era também representante comercial da Rhodia.



Selma (no caixa),  tendo ao lado Marlene e Toninha. 
Fonte: Lambari em Textos e Fotos

- Antigas instalações pintadas de branco - Na foto acima, podem ser vistas a balança Filizola e as vitrines pintadas de branco da antiga Farmácia Santo Antônio, em Lambari, MG.
Referências
 
- http://wp.clicrbs.com.br (Memórias Rodrigo Lopes)
fichadeonibus.blogspot.com.br
- bn.digital.gov.br
- Lambari em Textos e Fotos
- Arquivo pessoal do autor

O livro Menino-Serelepe
 
  (*) O livro Menino-Serelepe - Um antigo menino levado contando vantagem, de Antônio Lobo Guimarães, pseudônimo com que Antônio Carlos Guimarães (Guima, de Aguinhas) assina a coletânea HISTÓRIAS DE ÁGUINHAS, traz narrativas da infância do autor. V. o tópico Livros à Venda.

Guimaguinhas
Enviado por Guimaguinhas em 25/05/2018
Alterado em 25/05/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

As Águas Virtuosas de Lambari e a devoção a N... R$1,00
Os Curadores do Senhor R$20,00
Abigail [Mediunidade e redenção] R$20,00
Menino-Serelepe R$20,00
Site do Escritor criado por Recanto das Letras

Formas de interação com o site GUIMAGUINHAS

- Contato com o site - clique o link e envie sua mensagemhttp://www.guimaguinhas.prosaeverso.net/contato.php

- Contato com o autor - envie mensagem para este e-mail: historiasdeaguinhas@gmail.com

- Postar comentários sobre textos do site - utilize esta ferramenta que está ao pé do textoComentar/Ver comentários 

- Enviar textos: utilize acima: